Time waits for no one_banner 1

«Time can tear down a building or destroy a woman’s face Hours are like diamonds, don’t let them waste.»

Os 20 anos de «Speed»

1994. No mesmo ano em que estreavam «Flinstones» e «Quatro Casamentos e Um Funeral», Jan de Bont (director de fotografia em filmes como «Die Hard», «Basic Instinct» ou «Black Rain») trazia-nos «Speed», com Keanu Reeves, Sandra Bullock e Dennis Hopper.

A história é muito simples: Jack Traven é um oficial da policia de Los Angeles que vê Howard Payne – um bombista – voltar a atacar enquanto se pensava que estivesse morto. Desta vez o criminoso decide armadilhar um autocarro com passageiros no interior. Caso este autocarro baixe de velocidade abaixo das 50 milhas horárias, a bomba é activada. Um destes passageiros é Annie Porter, que vai auxiliar Jack nesta aventura a alta velocidade.

«Speed» é exactamente o que o titulo nos sugere. É uma locomotiva a alta velocidade. É um filme de acção, no mais puro sentido, desde o inicio até ao fim, sem nunca conseguirmos perceber quando e como se desenrolará o enredo. Tudo o que vemos neste filme já vimos certamente em filmes que o precederam, mas Jan de Bont e a sua equipa tornaram-no ainda hoje fresco e entusiasmante.

Embora o Holandês não seja novo nestas lides, este é o primeiro filme que realiza. No que diz respeito à produção, um filme de acção é sempre ou tudo ou nada. E a falta de experiência de de Bont revela-se porventura na generalização de certos tipos e personagens, e no diálogo mais ou menos inspirado. No entanto, «Speed» move-se a alta velocidade, e é isso que aqui importa. É visualmente sofisticado, torna plausível o implausivel e mantém o ritmo acelerado até ao final.

Contrariando as premissas da maior parte de filmes antagónicos de perseguição ou de velocidade, aqui o objectivo da policia não é impedir que o autocarro avance, mas sim assegurar que não baixe de velocidade. Invertendo este hábito narrativo, Jan de Bont e o argumentista Graham Yost conseguem prender o espectador ao ecrã, e trazer até ele uma série de problemas que implica um veículo que não pode parar e acelera através da autoestrada.

Andrezj Bartkowiak (director de fotografia), John Wright (editor) e Gary Hymes (coordenador de duplos) formam a equipa que mais contribui para o fascínio que este filme tem vindo a exercer sobre os espectadores nestes seus vinte anos, e o torna visualmente cativante. Nada que «Speed» transporta para o grande ecrã, desde as explosões furiosas ao tremendo pânico em plena autoestrada, foi alguma vez repetido posteriormente.

A qualidade do realizador está presente na sequência nervosa de abertura que envolve uma bomba armadilhada num elevador, filmada exclusivamente num cenário construído para o efeito, com cinco andares de altura. É nesta altura que nos é dado a conhecer Jack Traven, o seu parceiro mais consciente Harry Temple (Jeff Daniels) e o seu comandante Captain McMahon (Joe Morton).

Keanu Reeves toma partido da interpretação mais forte do filme e a sua intensidade inesperada é crucial pois dota-o da sua ferocidade que tão bem o caracteriza.

Apesar de ser um dos filmes mais marcantes das últimas duas décadas, não consegue igualar títulos como «The Fugitive» ou «In the Line of Fire», do ano anterior.

Time waits for no one - #15_1 Time waits for no one - #15_2

Próxima publicação (25 de junho): «Os Abutres Têm Fome» (1970), de Don Siegel