Time waits for no one

Time waits for no one: #16 (Two Mules for Sister Sarah)

Time waits for no one_banner 1

«Time can tear down a building or destroy a woman’s face Hours are like diamonds, don’t let them waste.»

[divider]

Two Mules for Sister Sarah (1970)

«Two Mules for Sister Sarah» é um filme de 1970 realizado por Don Siegel a partir de um argumento de Budd Boetticher, e revela­se assim um sonho para qualquer cinéfilo.

Não se trata, na verdade, de uma obra notável, mas em qualquer caso é um filme que cresce no intelecto do espectador através da memória que guarda do enredo e da interpretação dos protagonistas, como acontece em qualquer narrativa audiovisual inteligente.

Apelativo pelo seu sentido de humor, crueza e drama, é de realçar a sua vivacidade rica mas complexa, que combina ideias, imagens e personalidades preponderantes na cena cinematográfica mundial.

Hogan (Clint Eastwood) um mercenário norte­americano do século XIX ao serviço dos seguidores do patriota mexicano Juaréz e Sara (Shirley MacLaine) uma freira de quem Hogan salva de uma violação, seguem numa jornada em que são perseguidos pelas tropas Francesas que, à altura, governavam o território.

Entre Hogan e Sara (duas boas interpretações de Eastwood e MacLaine) existe desde o inicio uma tensão fundamentada no perfil que ambos representam. O primeiro, que exerce uma profissão, e o segundo, que segue uma vocação. Esta tensão verifica­-se também ao vermos que Hogan usa junto ao coração uma barra de dinamite, assim como uma freira usa a sua cruz, e através da força da pólvora ele traz ao mundo curas maravilhosas.

Sara é uma personagem paradoxal. É misteriosamente espiritual quando fisicamente mais activa, contribuindo para que as peripécias de «Two Mules…» desafiem as dialécticas ao fazer uso da sua flexibilidade interpretativa (de notar o contributo da banda sonora de Ennio Morricone, simultâneamente graciosa e funcional).

«Two Mules for Sister Sara» transpira as características distintivas do seu realizador («Coogan’s Bluff», «Madigan», «Hell is for Heroes», entre outros) e na sua construcção narrativa aproxima­se à obra de Boetticher, um realizador de elevada qualidade embora um pouco esquecido (de «The Rise and Fall of Legs Diamond» e «Comanche Station»).

De notar igualmente a colaboração na equipa técnica do realizador com os montadores (Robert Shugrue e Juan José Marino) e Gabriel Figueroa, grande director de fotografia mexicano que fotografou filmes como «Los Olvidados», «Nazarin» e «O Anjo Exterminador». Independentemente da grandeza do seu trabalho com Luis Buñuel, nenhum consegue ombrear com a sequência inicial ou a que precede o climax da história de «Two Mules…».

"Two Mules for Sister Sarah" (1970)_1

Deixar uma resposta