Queer Lisboa

Queer Lisboa 2015: Vencedores

"Amor Eterno" (2015)_1

Terminou ontem a 19ª edição do Festival de Cinema Queer Lisboa, com a atribuição do prémio de Melhor Longa-metragem ao filme espanhol “Amor Eterno”, de Marçal Forés. Segundo o Júri (composto por Lia Gama, Nuno Sena e Roberto Olla): “O realizador foi bem-sucedido na concretização de um filme provocador, perturbador e, ainda assim, estético e arrojado, que explora a sexualidade e obsessões humanas.”. O prémio de Melhor Atriz foi entregue a Cheng Pei Pei, pelo filme “Lilting”, de Hong Khaou, e o de Melhor Ator a Nahuel Perez Biscayat, pelo filme “Je suis à toi”, de David Lambert.

Na competição de Documentários, o júri atribuiu por unanimidade o Prémio de Melhor Documentário ao filme “Call Me Marianna” da polaca Karolina Bielawska, “pelo rigor da sua direção e a originalidade da sua narrativa que constrói uma cumplicidade com a sensibilidade do espectador“.

O Queer Lisboa 19 encerra assim, tendo exibido 76 filmes de 34 países diferentes, com encontro marcado para o Queer Lisboa 20, de 16 a 24 de setembro de 2016. Entretanto, vai realizar-se a primeira edição do Queer Porto – Festival Internacional de Cinema Queer, de 7 a 10 de outubro, no Teatro Municipal Rivoli, Maus Hábitos, Mala Voadora e Galeria Wrong Weather.

 

Competição de Longas-Metragens

Melhor Longa-Metragem

Amor Eterno, de Marçal Forés

Melhor Ator

Nahuel Pérez Biscayart, em Je Suis à Toi

Melhor Atriz

Cheng Pei Pei, em Lilting

Prémio do Público

Lilting, de Hong Khaou

 

Competição de Documentários

Melhor Documentário

Mów mi Marianna, de Karolina Bielawska

Prémio do Público

The Battle of the Sexes, de James Erskine e Zara Hayes

 

Competição de Curtas-Metragens

Melhor Curta-Metragem

Wannan Kong Duen, de Jirassaya Wongsutin

Prémio do Público

Chá da Meia-Noite, de Sibila Lind

 

Competição In My Shorts

Prémio Melhor Curta-Metragem de Escola

Irene, de Pedro Miguel

Menções Especiais do Júri

Juillet Électrique, de Rémi Bigot

Tant Pis Capítulo Um, de Bruna Rodrigues

 

Competição Queer Art

Melhor Filme

Nova Dubai, de Gustavo Vinagre

Menção Especial

Pauline s’Arrache, de Émilie Brisavoine