Depois de “Colo” de Teresa Villaverde ter sido anunciado a concurso para o Urso de Ouro de longas-metragens, a organização do Berlinale anunciou a lista de curtas-metragens. As curtas portuguesas, “Altas Cidades de Ossadas” de João Salaviza, “Cidade Pequena” de Diogo Costa Amarante, “Coup de Grâce” de Salomé Lamas (a primeira ficção da Salomé Lamas) e “Os Humores Artificiais” de Gabriel Abrantes vão fazer parte da competição oficial de curtas Berlinale Shorts, o que demonstra “a extraordinária diversidade do cinema português”.

Os três primeiros filmes são distribuídos pela Agência da Curta Metragem:

“Altas cidades de ossadas” é o mais recente trabalho de João Salaviza. A curta-metragem, produzida pela Terratreme Filmes e que será apresentada em estreia mundial, conta a história de Karlon, nascido na Pedreira dos Húngaros, pioneiro do rap crioulo que fugiu do bairro onde foi realojado. “Altas Cidades de Ossadas” é um tateio inquisitivo e imaginativo às suas memórias, ao cerco institucional, e às histórias submersas de um tempo sombrio.

Salaviza é um repetente nesta secção, que em 2012 venceu o Urso de Ouro com “Rafa”. O realizador dedicou o prémio ao governo português desse ano, referindo que “Estamos num momento em que realmente não sabemos o que vai acontecer”, acrescentando que a dedicação dependia de a administração tomar uma posição para melhorar as condições dos cineastas do país. Hoje, a situação em Portugal melhorou consideravelmente através de mudanças estruturais no financiamento. Em 2016, Leonor Teles ganhou também o Urso de Ouro, com “Balada de um Batráquio”.

“Coup de grâce” (produção de O Som e A Fúria e a primeira ficção da realizadora) de Salomé Lamas, segue Leonor que volta de viagem num dia em que o seu pai Francisco já não a esperava. No espaço de 24 horas vivem uma realidade alucinada, conduzida, em crescendo, pela inquietação de Francisco num registo de aparente normalidade. O filme será também apresentado no festival alemão em estreia mundial.

“Cidade pequena” de Diogo Costa Amarante acompanha Frederico que, em setembro, aprende na escola que as pessoas têm cabeça, tronco e membros, e que se o coração pára morrem. Em outubro, a mãe apercebe-se que ele está a crescer, que as estações correm indiferentes ao ritmo lento de uma pequena cidade. A ficção de 20 minutos estreou em julho de 2016 no 24º Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema.

“Uma imagem preconcebida, uma noção clichê de algo ou alguém, só pode alterar a sua forma se a minha própria visão das coisas se expandir para incluir uma nova perspectiva. Todos os filmes selecionados para o Berlinale Shorts 2017 têm em comum o fato de convidarem a um recalibrar da sua própria percepção”, comenta a curadora Maike Mia Höhne em referência ao programa deste ano. Ao todo são 23 curtas de 19 de países que irão competir pelo Urso de Ouro das curtas-metragens. O júri desta competição é composto por Christian Jankowski, artista e professor alemão, Kimberly Drew, curadora, escritora e gestora de redes sociais do Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque, e o chileno Carlos Núñez, programador de festivais de cinema e produtor de filmes. A 67ª edição do Berlinale acontece entre os dias 9 e 19 de fevereiro de 2017.

Berlinale Shorts
Altas Cidades de Ossadas (High Cities of Bone), João Salaviza, Portugal, 19’ (WP)
Avant l’envol, Laurence Bonvin, Switzerland, 20’ (IP)
The Boy from H2, Helen Yanovsky, Israel / Palestinian Territories, 21’ (WP)
Call of Cuteness, Brenda Lien, Germany, 4’ (WP)
Centauro (Centaur), Nicolás Suárez, Argentina, 14’ (IP)
Cidade Pequena (Small Town), Diogo Costa Amarante, Portugal, 19’ (IP)
Coup de Grâce, Salomé Lamas, Portugal, 26’ (WP)
The Crying Conch, Vincent Toi, Canada, 20’ (WP)
Ensueño en la Pradera (Reverie in the Meadow), Esteban Arrangoiz Julien, Mexiko, 17’ (WP)
Estás vendo coisas (You are seeing things), Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, Brazil, 18’ (IP)
Everything, David OReilly, USA / Ireland, 11’ (WP)
Le film de l’été (A Summer’s Film), Emmanuel Marre, France / Belgium, 30’ (WP)
Fishing Is Not Done On Tuesdays, Lukas Marxt & Marcel Odenbach, Germany / Austria, 15’ (WP)
Fuera de Temporada (Out of Season), Sabrina Campos, Argentina, 23’ (WP)
Hiwa, Jacqueline Lentzou, Greece, 11’ (WP)
Os Humores Artificiais (The Artificial Humors), Gabriel Abrantes, Portugal, 30’ (WP)
keep that dream burning, Rainer Kohlberger, Germany / Austria, 8’ (WP)
Kometen (The Comet), Victor Lindgren, Sweden, 11’ (IP)
Martin Pleure (Martin Cries), Jonathan Vinel, France, 16’ (WP)
Miss Holocaust, Michalina Musielak, Poland / Germany, 22’ (WP)
Monangambeee, Sarah Maldoror, Algeria, 15’ – Out of competition
Oh Brother Octopus, Florian Kunert, Germany, 27’ (WP)
The Rabbit Hunt, Patrick Bresnan, USA / Hungary, 12’ (IP)
Street of Death, Karam Ghossein, Libanon / Germany, 23’ (WP)