Morreu hoje, em consequência de um cancro e de problemas cardíacos, aos 73 anos de idade, o realizador americano Jonathan Demme, autor do premiado “O Silêncio dos Inocentes” (1991).

O realizador começou a sua carreira no cinema como produtor no início da década de 1970, tendo-se estreado na cadeira de realizador com “A Gaiola das Tormentas” (1974). Atinge o sucesso internacional nos anos 1980 com filmes como “Selvagem e perigosa” (1986) e “Viúva… mas não muito” (1988). Mas é sobretudo com o thriller “O Silêncio dos Inocentes” (1991), protagonizado por Jodie Foster e Anthony Hopkins, que alcança o maior sucesso da sua carreira, tendo conquistado cinco Óscares, incluindo o de Melhor Filme e Melhor Realizador (o seu único óscar). Em 1993 realiza outro dos seus maiores sucessos da crítica, o drama “Filadélfia”, sobre um advogado que é portador do vírus HIV e que é despedido por tal, protagonizado por Tom Hanks e Denzel Washington. O primeiro filme comercial de Hollywood abordar temas como o HIV e a homofobia. O filme conquistou o Óscar de Melhor Ator (Tom Hanks) e de Melhor Música.

Da sua filmografia constam ainda filmes como “Beloved” (1998), “A verdade sobre Charlie” (2002), “O Candidato da Verdade” (2004), os documentários “Neil Young: Heart of Gold” (2006) e “Jimmy Carter Man from Plains” (2007), “O casamento de Rachel” (2012) e “Ricki e os Flash” (2015).

Jonathan Demme esteve em Portugal em 2015 a convite do Lisbon & Estoril Film Festival, que lhe dedicou uma homenagem.