Dou o dia como ganho quando encontro um filme como “Les Grandes Ondes (à L’Ouest)” (ou “As Ondas de Abril” em português). Para um filme que não estava sequer no meu radar, não me arrependo em nada de o ter escolhido em favor de outros filmes que já tinha em mente há várias semanas, e no final das contas, o cinema também é isso: descobrir.

“As Ondas de Abril” é um filme do realizador suíço Lionel Baier (premiado não há muito tempo tanto no Queer Lisboa como em Cannes com “Vanity”, o seu mais recente trabalho como realizador) e foca-se na viagem de dois radialistas suíços que são enviados contra a sua vontade até Portugal. Julie (Valérie Donzelli) é jovem e revolucionária e Joseph Cauvin (Michel Vuillermoz) é experiente e famoso, sendo que a eles se junta um também experiente e bastante metódico técnico de som chamado Bob (Patrick Lapp) e um jovem português contratado já em pleno Portugal rural por Julie, chamado Pelé (Francisco Belard) que passa a ser o intérprete do grupo. Fica então por revelar o detalhe de que tudo isto se passa em Abril de 1974 e que a peça jornalística que supostamente se iria focar na ajuda financeira da Suíça a Portugal acaba por ser uma reportagem em primeira mão sobre a revolução dos cravos.

Portugal é descrito logo no início do filme como “um país menos desenvolvido que [a Suíça] mas mesmo assim agradável” e isso acaba por ser o mote como os radialistas encaram a sua viagem pelas nossas estradas, entre os “carochas” da PIDE e as carroças puxadas a burro. A comédia é simples e segue praticamente todos os clichés esperados num filme destes mas mesmo assim eficaz na maior parte das vezes, embora reconheça que para quem não seja fluente em português a maior parte das piadas do primeiro acto não vão funcionar tão bem; felizmente eu sou fluente e o leitor deste texto também, por isso o humor funciona connosco.

O realizador procurou claramente seguir o estilo das grandes comédias cinematográficas dos anos 70 e isso nota-se na sua simplicidade tanto narrativa como cinematográfica. Sem grandes floreados (mas com uma excelente banda sonora) somos bombardeados com aquilo que os americanos chamam de “Screwball Comedy” (Comédia Maluca) repleta de mal-entendidos, trocadilhos, comédia física e até um número musical. Se não levarem a mal a eventual piada falhada ou um ou outro momento mais artificial, nem a ligeireza com que a revolução que mais marcou a nossa História recente, com certeza que vão conseguir retirar várias gargalhadas deste filme.

RealizaçãoLionel Baier
ArgumentoLionel Baier, Julien Bouissoux
ElencoValérie Donzelli, Michel Vuillermoz, Patrick Lapp
França/2013 – Comédia
Sinopse
: Portugal, Abril de 1974. Dois jornalistas da Rádio Suíça são enviados a Portugal para fazer uma reportagem sobre a ajuda suíça ao nosso país. À equipa junta-se um técnico de som, com a sua carrinha VW pão de forma, e um jovem português contratado para servir de intérprete. Tudo lhes corre mal e quase dão a reportagem como perdida, quando são apanhados de surpresa pela Revolução dos Cravos.
No sítio certo e no momento certo, eles têm a oportunidade única de captar em direto e ao vivo o espírito da revolução. O filme “As Ondas de Abril”, que é inspirado numa história real, mostra como uma equipa de jornalistas estrangeiros encontrou este país nos dias que antecederam a revolução e o espírito de liberdade que em 25 de Abril de 1974 invadiu Portugal.

«As Ondas de Abril» – Uma revolução encontrada por acaso
3.0Valor Total
Votação do Leitor 1 Voto