Home / Notícias / “Vertigo” elimina o reinado de 50 anos de “Citizen Kane”

“Vertigo” elimina o reinado de 50 anos de “Citizen Kane”

Terminou o reinado de 50 anos do filme “Citizen Kane” (“O Mundo a Seus Pés”, 1941) de Orson Welles, como o melhor filme de sempre. A revista inglesa “Sight and Sound”, que de dez em dez anos, convida um grupo de críticos e especialistas da área para nomear os melhores filmes de sempre, divulgou recentemente a sua nova lista.

 

“Vertigo – A Mulher que Viveu Duas Vezes”, de Alfred Hitchcock, foi eleito, por 846 críticos, o melhor filme de todos os tempos, contrariando o resultado das últimas cinco décadas. “Vertigo”, que não foi muito apreciado pelo público e pela crítica na sua época, é hoje uma obra-prima do cinema e considerado o melhor filme de Hitchcock.

 

Em segundo lugar da lista passa a estar “O Mundo a Seus Pés”, que foi considerada pela revista “Sight and Sound”, desde 1962, o melhor filme de sempre. Esta obra megalómana do cinema, a primeira de Welles, sobre o sucesso e queda de um magnata, pode ter perdido o seu lugar no pódio, mas irá continuar a ser sempre um dos melhores filmes de sempre, como uma referência para cineastas, teóricos, estudantes e amantes da sétima arte.

 

A primeira lista a ser criada foi em 1952, tendo eleito como o melhor filme de sempre o clássico do neo-realismo italiano, “O Ladrão de Bicicletas” (1948) de Vittorio De Sica, que nesta nova lista ocupa a 33ª posição.

 

Top 50 dos Melhores Filmes de Sempre

  1. Vertigo –  Mulher Que Viveu Duas Vezes (Vertigo, 1958) de Alfred Hitchcock
  2. O Mundo a Seus Pés (Citizen Kane, 1941) de Orson Welles
  3. Viagem a Tóquio (Tokyo Story, 1953) de Yasujiro Ozu
  4. A Regra do Jogo (La Règle du Jeu, 1939) de Jean Renoir
  5. Aurora (Sunrise: A Song of Two Humans, 1927) de FW Murnau
  6. 2001: Odisseia no Espaço (2001: A Space Odyssey, 1968) de Stanley Kubrick
  7. A Desaparecida (The Searchers, 1956) de John Ford
  8. O Homem da Câmara de Filmar (Man with a Movie Camera, 1929) de Dziga Vertov
  9. A Paixão de Joana d’Arc (The Passion of Joan of Arc, 1927) de Carl Dreyer
  10.  (8½, 1963) de Federico Fellini
  11. O Couraçado Potemkin (Battleship Potemkin, 1925) de Sergei Eisenstein
  12. O Atalante (L’Atalante, 1934) de Jean Vigo
  13. O Acossado (Breathless, 1960) de Jean-Luc Godard
  14. Apocalypse Now (Apocalypse Now, 1979) de Francis Ford Coppola
  15. Primavera Tardia (Late Spring, 1949) de Yasujiro Ozu
  16. Peregrinação Exemplar (Au hasard Balthazar, 1966) de Robert Bresson
  17. Os Sete Samurais (Seven Samurai, 1954) de Akira Kurosawa
  18. A Máscara (Persona, 1966) de Ingmar Bergman
  19. O Espelho (Mirror, 1974) de Andrei Tarkovsky
  20. Serenata à Chuva (Singin’ in the Rain, 1952) de Stanley Donen, Gene Kelly
  21. A Aventura (L’avventura, 1960) de Michelangelo Antonioni
  22. O Desprezo (Le Mépris, 1963) de Jean-Luc Godard
  23. O Padrinho (The Godfather, 1972) de Francis Ford Coppola
  24. A Palavra (Ordet, 1955) de Carl Dreyer
  25. Disponível para Amar (In The Mood for Love, 2000) de Kar Wai Wong
  26. Às Portas do Inferno (Rashomon, 1950) de Akira Kurosawa
  27. Mulholland Drive (Mulholland Dr., 2001) de David Lynch
  28. Stalker (Stalker, 1979) de Andrei Tarkovsky
  29. Shoah (Shoah, 1985) de Claude Lanzmann
  30. O Padrinho: Parte II (The Godfather: Part II, 1974) de Francis Ford Coppola
  31. Taxi Driver (Taxi Driver, 1976) de Martin Scorsese
  32. Ladrões de Bicicletas (Bicycle Thieves, 1948) de Vittorio De Sicca
  33. Pamplinas Maquinista (The General, 1926) de Buster Keaton
  34. Metropolis (Metropolis, 1927) de Fritz Lang
  35. Psico (Psycho, 1960) de Alfred Hitchcock
  36. Jeanne Dielman, 23 quai du Commerce 1080 Bruxelles (Jeanne Dielman, 23 quai du Commerce 1080 Bruxelles, 1975) de Chantal Akerman
  37. Sátántangó (Sátántangó, 1994) de Béla Tarr
  38. Os Quatrocentos Golpes (The 400 Blows, 1959) de François Truffaut
  39. A Doce Vida (La Dolce Vita, 1960) de Federico Fellini
  40. Viagem em Itália (Journey to Italy, 1954) de Roberto Rossellini
  41. O Lamento da Vereda (Pather Panchali, 1955) de Satyajit Ray
  42. Quanto Mais Quente Melhor (Some Like It Hot, 1959) de Billy Wilder
  43. Gertrudes (Gertrud, 1964) de Carl Dreyer
  44. Pedro o Louco (Pierrot le fou, 1965) de Jean-Luc Godard
  45. Play Time – Vida Moderna (Play Time, 1967) de Jacques Tati
  46. Close-Up (Close-Up, 1990) de Abbas Kiarostami
  47. A Batalha de Argel (The Battle of Algiers, 1966) de Gillo Pontecorvo
  48. Histoire(s) du cinéma (Histoire(s) du cinéma, 1998) de Jean-Luc Godard
  49. Luzes da Cidade (City Lights, 1931) de Charlie Chaplin
  50. Contos da Lua Vaga (Ugetsu monogatari, 1953) de Kenji Mizoguchi

Deixar uma resposta

Scroll To Top