Os membros da Academia Portuguesa das Artes e Ciências Cinematográficas (Academia Portuguesa de Cinema) escolheram o filme “São Jorge”, do realizador Marco Martins, produzido por Maria João Mayer e Filmes do Tejo, para representar Portugal na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, nos Óscares da Academia Americana de Cinema e na categoria de melhor filme ibero-americano, nos Prémios Goya, da Academia Espanhola.

“São Jorge” estreou na secção paralela Orrizonti, no Festival de Veneza, tendo o ator Nuno Lopes recebido o Prémio Orizzonti para Melhor Ator. Desde então que o filme tem sido muito bem recebido pela crítica nacional e internacional. Este filme, a sua terceira longa-metragem, marca o regresso da parceria com o ator Nuno Lopes, depois de “Alice” (2005) – primeira longa-metragem de Marco Martins – o ator e o realizador voltam a trabalhar juntos. Fazem também parte do elenco Beatriz BatardaMariana Nunes e Gonçalo Waddington, assim como um vasto elenco de atores não profissionais.

“São Jorge” centra-se na história de um pugilista (Nuno Lopes) desempregado de longa duração que aceita um emprego numa empresa de cobranças difíceis para poder pagar as suas próprias dívidas. O filme, cruzando a ficção com o documentário, é um olhar sobre os anos de intervenção da troika em Portugal e a crise financeira que recentemente atingiu Portugal.

O filme, estreado em Portugal no dia 9 de março, foi visto por mais de 41 mil espectadores, posicionando-se como o terceiro filme nacional mais visto do ano em Portugal.

A 90ª Gala de entrega dos Óscares está agendada para o dia 04 de março de 2018 em Los Angeles, na Califórnia, enquanto que a 32ª Edição dos Prémios Goya está prevista para o dia 3 de fevereiro de 2018, em Madrid.

Em 2017 o candidato português da Academia Portuguesa de Cinema para os Óscares e para os Goya foi “Cartas da Guerra”, de Ivo M. Ferreira.