Academia Europeia de Cinema divulgou recentemente os nomeados para a categoria de Melhor Curta-Metragem, para a 30ª edição do European Film Awards (Prémios do Cinema Europeu). Entre os 15 filmes nomeados há um português, “Os Humores Artificiais” de Gabriel Abrantes, uma curta estreada no Festival de Berlim 2017 que fala sobre um robot que se apaixona por uma índia. O jovem realizador venceu, pelo segundo ano consecutivo, o Prémio para Melhor Realizador Português na 25ª edição do Curtas Vila do Conde.

“Os Humores Artificiais foi rodado no Mato Grosso (Canarana e nas aldeias Yawalapiti e Kamayura dentro do Parque Indígena do Xingu) e em São Paulo. Misturando certa estética hollywoodiana com abordagens típicas do registo documental, o filme conta a jornada de uma jovem indígena que se apaixona por um robô.”

A lista completa dos nomeados vai ser conhecida a 4 de novembro, durante o Festival de Cinema Europeu de Sevilha, em Espanha. A cerimónia da 30ª edição realiza-se no dia 9 de dezembro em Berlim, na Alemanha, onde serão entregues os mais importantes prémios cinematográficos europeus.

 

Nomeados Melhor Curta-Metragem
Timecode, de Juanjo Giménez (Espanha)
Love, de Réka Bucsi (Hungria/França)
Fight on a Swedish Beach!!, de Simon Vahlne (Suécia)
The Party, de Andrea Harkin (Irlanda)
Information Skies, de Metahaven (Holanda/Coreia do Sul)
Wannabe, de Jannis Lenz (Áustria/Alemanha)
Os Humores Artificiais, de Gabriel Abrantes (Portugal)
Scris/Nescris, de Adrian Silisteanu (Roménia)
En la Boca, de Matteo Gariglio (Suíça/Argentina)
Los Desheredados, de Laura Ferrés (Espanha)
Jeunes Hommes à La Fenêtre, de Loukianos Moshonas (França)
Copa-Loca, de Christos Massalas (Grécia)
Gros Chagrin, de Céline Devaux (França)
Ugly, de Redbear Easterman & Nikita Diakur (Alemanha)
Hevêrk, de Rûken Tekes (Turquia)