Foi hoje revelado o vencedor do Prémio de Cinema LUX 2017, atribuído pelo Parlamento Europeu durante a sessão solene, em Estrasburgo. “Sámi Blood” da realizadora sueca Amanda Kernell, um conto delicado sobre o racismo contra o povo Sami, em que a jovem de 14 anos Elle Marja, sonha com uma vida diferente, venceu o grande prémio LUX 2017, triunfando sobre os outros dois filmes nomeados, “120 Batimentos por Minuto” de Robin Campillo (França) e “Western” de Valeska Grisebach (Alemanha).

“Sámi Blood”, a primeira longa-metragem de Amanda Kernell e uma co-produção entre a Suécia, Dinamarca e a Noruega, estreou no Festival de Veneza, onde conquistou dois prémios, e já percorreu vários festivais como o Toronto International Film Festival, Riviera International Film Festival e Edinburgh International Film Festival.

O Prémio Lux, criado pelo PE em 2007, é atribuído com base numa votação pelos deputados do Parlamento Europeu, com o objectivo de promover e celebrar a diversidade e a relevância social do cinema dentro da UE. Até ao final do ano todos os filmes finalistas vão ser exibidos nos 28 países da União Europeia.

Em 2016, o Prémio Lux foi atribuído a “Toni Erdmann” da alemã Maren Ade.