Já é conhecido o programa da 18ª edição da MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa, a decorrer de 8 a 18 de março, que irá prestar homenagem ao cinema de animação da Estónia, exibindo cerca de 140 filmes deste país, entre filmes históricos, contemporâneos, retrospetivas de realizadores, como Priit Pärn, Priit Tender, Kaspar Jancis, Ülo Pikkov ou Rao Heidmets.

Um dos grandes destaques deste ano é ante-estreia do filme “A Idade da Pedra“, de Nick Park e produzido pelos estúdios britânicos Aardman. O filme estreia no dia 7 de março, um dia antes do arranque oficial do festival e traz a Lisboa o português Emanuel Nevado, da equipa de animação do filme e o próprio realizador, que, no dia 10 de março, vai dar na Monstra uma masterclasse e apresentar os seus filmes.

Nesta edição, a competição internacional de longas-metragens é composta por sete filmes: “The Breadwinner” de Nora Twomey (nomeado para os Óscares 2018), “Have a Nice Day” de Liu Jian, “Ethel & Ernest” de Roger Mainwood, “Cinderella The Cat” de Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak e Dario Sansone, “Rabbit Schoole” de Ute von Münchow-Pohl, “The Oddsockeaters” de Galina Miklinova, e “A Silent Voice” de Naoko Yamada.

A competir pelo Prémio Vasco Granja / SP Autores, estarão 12 curtas portuguesas, produzidas em 2017 e 2018, por realizadores como André Ruivo, Catarina Sobral, Marta Monteiro, Joana Imaginário, Joana Toste, Pedro Serrazina, entre outros.

A 18ª edição vai homenagear também o cinema de animação japonês. Este ano, o realizador Kunio Katō, que ganhou um Óscar em 2008 para Melhor Curta-Metragem com “A Casa dos Pequenos Cubos”, vai estar em Lisboa com uma retrospetiva das suas curtas-metragens; vai ainda ser prestada uma homenagem ao realizador Mamoru Hosoda, com a exibição de 4 longas-metragens; vai ser projetado o filme “Gochu, o Violoncelista”, do mestre Isao Takahata, cofundador do Studio Ghibli; e, por fim, o realizador Koji Yamamura, também orcarizado, apresenta em Lisboa uma retrospetiva dos seus filmes e dos seus alunos da Universidade de Tóquio, no programa da Monstra Universitária.

Na secção históricos, serão exibidos alguns clássicos como “Yellow Submarine”, o aclamado filme de George Dunning sobre os Beatles e a década de 60 e que este ano comemora 50 anos; “Planeta Selvagem” de Renè Laloux, que celebra 45 anos; “The Secret Adventures of Tom Thumb”, de Dave Borthwick, que completa 25 anos; e ainda “Belleville Rendez-Vous”, que comemora 15 anos, realizado por Sylvain Chomet, que vem a Lisboa falar sobre o seu trabalho numa masterclasse.

A MONSTRA 2018 apresenta ainda filmes nas secções DokAnim (documentários de animação, representados por duas longas e uma retrospectiva do Festival DokLeipzig), TerrorAnim (filmes de animação de terror), Monstra Triple X (uma seleção de filmes sensuais para maiores de 18 anos), Cinema Experimental e ClipAnim (videoclips de animação, que este ano são selecionados pelo músico Filipe Raposo). 
Na cerimónia de entrega de prémios, no dia 17 de março, o filme “A Origem do Som”, do realizador holandês Paul Driessen, vai ter a sua estreia mundial e vai ter uma exposição nas vitrines do Cinema São Jorge.

Fonte: Monstra