Faleceu esta quinta-feira (1 de março) Artur Correia, realizador, animador e ilustrador, aos 85 anos. Ainda esta semana a Academia Portuguesa de Cinema tinha anunciado Artur Correia como um dos três Homenageados com o Prémio Sophia Carreira 2018. O realizador Lauro António e a atriz Ana Lorena completam o trio de homenageados deste ano.

Artur Correia, nascido em 1932, em Lisboa, foi um dos grandes nomes da história do cinema de animação português, tendo sido o primeiro português a ser premiado no maior festival de cinema de animação o mundo, no Festival de Annecy, em 1967. Venceu o primeiro prémio na categoria de publicidade atribuído a “O Melhor da Rua”.

No campo do cinema de animação publicitário foi um dos mais premiados mundialmente: Bilbao, Cannes, Hollywood, Nova Iorque, Argentina, Zagreb, Lucca, Veneza, entre outros.

Em 1971 realizou aquele que é considerado o primeiro filme de animação português, “Eu Quero a Lua”. Em 1973 criou a Topefilme, uma produtora multipremiada internacionalmente no domínio do filme publicitário.

“O Romance da Raposa” (1988) foi produzido e realizado por Artur Correia, uma série em treze episódios, que adapta o romance infantil de Aquilino Ribeiro. Foi um dos seus maiores sucessos. “O Caldo de Pedra” (1976) e “O Ouriço” (1989) são outros dos seus trabalhos mais conhecidos.A curta-metragem “A Nau Catrineta” (2012) foi o seu último trabalho.

O realizador português teve direito a uma Sessão de Homenagem em 2017 no Cinanima, tendo sido o orientador dos jovens fundadores do Festival, júri de seleção durante grande parte dos anos 80 e ilustrou o jornal do Cinanima.