Introdução

O modelo de cinema esloveno é muito específico, não apresenta semelhanças muito próximas com as indústrias cinematográficas dos países da Europa Central e Oriental, pelo tamanho da sua industria e forma de desenvolvimento pode ser comparado à Eslováquia, pois ambos os países deixaram uma federação na qual não eram a nação dominante. No entanto, existem pontos de viragem cruciais de proporções míticas na história do cinema esloveno. Esses momentos férteis revelam os eventos marcantes da produção cinematográfica nacional e tornam visível a natureza fragmentada da história e os obstáculos à frente do desenvolvimento do cinema esloveno.

Os pesquisadores parecem concordar que a história do cinema esloveno é composta de uma série de filmes um tanto quanto desgarrada das “ondas e tendências” que surgiram e influenciaram o cinema em diversos países, sua história, portanto, é feita de sucessivas tentativas de não deixar a produção nacional parar, em vez de um desenvolvimento contínuo e ininterrupto, o cinema esloveno sofreu e ainda sofre com a dificuldade de produção, apoio e divulgação, diminuindo bastante as produções em cada ano.

História

Embora o primeiro documentário esloveno tenha sido feito apenas alguns anos após a invenção da câmera cinematográfica, a história do cinema esloveno não inclui nenhum trabalho cinematográfico real feito antes da Segunda Guerra Mundial, com a exceção de alguns trechos filmados em ocasiões especiais e curtas documentários silenciosos.

Dito isto, a contribuição única da Eslovênia para a antiga Hollywood foi de fato notável: o astro do cinema mudo nascido na Eslovênia, Ita Rina.

Ita Rina

Os anos seguintes à Segunda Guerra Mundial veriam uma mudança considerável mudando o cenário para melhor depois de um longo período de estagnação.

O primeiro longa-metragem esloveno, “On Our Own Land”, dirigido por France Štiglic, foi notável por sua abordagem emocional  escapando assim do estereótipo do socialismo realista, que era o modo “criativo” predominante no pós-guerra, uma estética de cinema que conectou os países do bloco socialista. Da mesma forma, a maioria dos outros filmes de ficção eslovenos do período retrata as questões de guerra e temas sociais de uma maneira surpreendentemente íntima e envolvente, o que os diferencia da matriz ideológica dos anos do pós-guerra.

France Štiglic

Cinematografia Nacional

Este foi também um período de filmes juvenis bem feitos que até ganharam prêmios na Europa Ocidental, como “Kekec” (1951), dirigido por Jože Gale, e “Valley of Peace” (1956) por France Štiglic.

Em poucos anos, novos diretores estavam fazendo filmes baseados na estética modernista e inspirados no cinema francês e escandinavo, dois grandes nomes dignos de nota são Matjaž Klopčič e Boštjan Hladnik com os filmes ”A Story That Doesn’t Exist” (1967) e “Dancing In The Rain” (1961) respectivamente, esses dois realizadores são responsáveis por filmes extremamente importantes na historia do cinema esloveno, outros dois grandes filmes que eu gostaria de ressaltar e que merecem grande destaque pela profundidade dos temas e pela forma única que  lidarão cum referencias externas do cinema mundial mas aos mesmo tempo com uma essência extremamente eslovena são “Sunny Whirlpool” (1968)  e “Kill me Softly” (1979) do diretor Boštjan Hladnik e “Funeral Fest, Burial Lunch” (1969) e “My Dad, The Socialist Kulak” (1987) do diretor Matjaž Klopčič. Esses realizadores produziram grandes obras até o final dos anos 1990 são filmes essenciais para um entendimento dos temas cinematográficos eslovenos.

Boštjan Hladnik

Matjaž Klopčič

Literatura

Uma série de filmes baseados em obras literárias populares eslovenas foram seguidos pelos filmes socialmente engajados da década de 1980, que se concentraram em questões sociais em uma busca para encontrar seu lugar entre os filmes do famoso movimento iugoslavo do “Cinema de Ondas Negras”, mas estes provaram menos bem sucedidos do que os filmes feitos por diretores sérvios ou croatas.

Realces cinematográficos mais notáveis começaram a surgir depois de 1980: eram frequentemente obras de arte críticas e socialmente envolvidas, oferecendo uma interpretação radicalmente diferente da visão histórica fixa das coisas estabelecidas pelo aparato ideológico socialista. Filmes como “The Meduza Raft” (1980) de Karpo Godina e “See You In The Next War” (1980) pelo diretor sérvio Živojin Pavlović são dois exemplos clássicos.

Na Eslovênia independente, uma nova geração de cineastas se apresentou. Os temas mais populares ainda são problemas sociais de indivíduos ou grupos marginalizados; mas também há algumas comédias, histórias de amor e outros gêneros.

Diretores como Igor Šterk, Damjan Kozole, Metod Pevec, Janez Lapajne, Andrej Košak, Boris Jurjaševič, Janez Burger e Jan Cvitkovič atraíram bastante atenção com seus filmes.

Nos anos 1950, 1960 e 1970, vários filmes foram criados com base em  clássicos literários eslovenos (tendo seus textos fontes de escritores como Ivan Cankar, Prežihov Voranc, Ivan Tavčar) e grandes nomes da literatura eslovena contemporânea (Dominik Smole, Beno Zupančič, Ivan Potrč).

Tais filmes incluíam “The Upstarts” (1953), dirigido por Bojan Stupica, “Blossoms in Autumn” (1973) dirigido por Matjaž Klopčič, e “Idealist” (1976) por Igor Pretnar.

Em alguns filmes os textos foram sujeitos a forte re-interpretação e direção, como no caso de  “Dancing in the Rain” (1961) de Boštjan Hladnik, “Funeral Fest, Burial” de Matjaž Klopčič (1969) e “In the Gorge” (1971) de Vojko Duletič dentre os mais conhecidos.

A Cinemateca Eslovena

A Cinemateca Eslovena foi criada em 1º de agosto de 1996 pelo Governo da República da Eslovénia com o ato que separou o Museu Nacional de Teatro e Cinema (existente desde 1978) em dois institutos públicos: o Instituto de Teatro da Eslovênia e a Cinemateca Eslovena.

As atividades da Cinemateca eslovena são realizadas por quatro departamentos: o programa de cinema, o arquivo, o museu e o departamento de pesquisa e publicação, que também cuida da biblioteca e da mediateca. Além dessas atividades, a Cinemateca também publica a revista de cinema Ekran.

A formação da Cinemateca como instituição cultural autônoma tem uma história própria. Em uma edição de 1988 da revista Ekran, que marcou o 25º aniversário da operação da Cinemateca em Liubliana, Silvan Furlan argumentou que “apenas cinematecas podem falar adequadamente” sobre filmes e fornecer respostas essenciais sobre um meio tão complexo, “A Eslovênia ainda carece de uma cinemateca ‘real’”, acrescentou ele, “uma que ainda está por ser estabelecida, pois sem um museu nacional de cinema, isto é, algo moderno, a cultura eslovena continuará empobrecida.

A futura Cinemateca, como o seu “Esboço” imaginado, seria fundada reunindo as atividades existentes do Museu do Cinema (naquela época uma parte do Museu Nacional do Cinema e Cinema da Eslovênia), as exibições em andamento na sala da Cinemateca (realizada pela principal distribuidora da capital, Ljubljanski kinematografi), e as atribuições do departamento de cinema nos Arquivos da República da Eslovênia. Por fim, o ato que estabeleceu a Cinemateca em 1996 foi modelado em um documento elaborando a institucionalização de atividades de cinemateca na Eslovênia, de autoria do ano anterior por Silvan Furlan, Lili Nedić, Vlado Škafar e Denis Valič.

Em 1998, a Cinemateca Eslovena tornou-se membro associado da FIAF (Federação Internacional de Arquivos de Filmes) e assumiu a plena adesão em 2012. Neste período, a Cinemateca também pode reivindicar o crédito para o estabelecimento do cinema de arte de Lijubljana em 2003; facilitando a fundação dos festivais de cinema IsolaCinema e Grossman em Izola e Ljutomer; e para pôr em marcha a Rede de Cinema Artístico da Eslovénia. Desde então, essas instituições se desenvolveram de forma autônoma e com sucesso.

Por outro lado, desde a sua criação, a Cinemateca eslovena tem enfrentado – e ainda hoje enfrenta – dificuldades em oferecer oportunidades de emprego estáveis, dilemas de atualização tecnológica e transição digital, bem como problemas de assegurar instalações adequadas de trabalho e instalações de armazenamento.

No entanto, a Cinemateca eslovena é proativa tanto a nível local como internacional, contribuindo assim para o perfil cultural internacional da República da Eslovénia. Membros da equipe da Cinemateca e colaboradores ensinam em universidades e realizam vários programas educacionais em casa e no exterior, cooperam na projeção do futuro da educação em cinema nas escolas da Eslovênia e participam de inúmeras outras atividades.

Em 2016, o Ministério da Cultura da Eslovénia adquiriu novas capacidades para efeitos da cinemateca eslovena. Este investimento marca um importante momento histórico e um grande passo para concretizar um dos nossos objetivos de longo prazo – fundir as capacidades agora dispersas em torno de um centro principal, perto do departamento de programas e do nosso cinema na rua Miklošičeva, ambos representando o coração simbólico. de atividades cinematográficas desde o início.

Com isso, a Cinemateca Eslovena poderá realizar sua missão cultural e educativa de maneira mais abrangente e estabelecer condições duradouras para uma cultura cinematográfica dinâmica do futuro.

Ivan Nedoh

A indústria cinematográfica na Eslovênia nunca esteve exatamente sobrecarregada com fundos, mas o padrão de produção não tem sido o pior por este motivo. No entanto, isso significa que muitos filmes excelentes nunca chegam ao público internacional, já que os fundos tendem a não concorrer com as produções internacionais.

O primeiro filme realmente todo esloveno foi “On Our Own Land”, lançado em 1948 e dirigido por France Štiglic.

O filme “Dance in the Rain” (1961) aclamado  pelos críticos eslovenos como o melhor filme nacional de todos os tempos, foi dirigido por Boštjan Hladnik, de estilo semelhante aos filmes  franceses da nouvelle vague, usando vários flashbacks e sequências de sonhos, conta a história de um jovem professor na busca infrutífera do amor.

“Dancing in the Rain”

O Filme “Spare Parts” (2003) foi beneficiado de um breve lançamento nos cinemas independentes do Reino Unido e recebeu críticas muito boas. É uma história angustiante de dois pequenos criminosos nos Bálcãs, que lidam com o tráfico de pessoas na fronteira italiana. O diretor, Damjan Kozole, ganhou muitos prémios internacionais com este filme e seu último filme, “Labor Equal Freedom”, foi lançado em 2005.

“Spare Parts”

O filme “Cheese and Jam” (2003) de Branko Djurić, é uma comédia de humor negro e transcultural. Trata dos problemas de um casamento entre um marido bósnio e sua esposa eslovena amorosa, mas enlouquecida. Os três personagens centrais (o próprio Djurić, Tanja Ribič e Dragan Bjelogrlić) são jogados com alguma desenvoltura e só para garantir que você não se envolva muito com a seriedade, há uma piada de corrida brilhantemente explorada. Ah, e isso insinua um toque de diversão nas costelas da sensibilidade eslovena.

O filme “Bread and Milk” (2001) de Jan Cvitkovič, leva-se muito mais a sério. Aqui vemos uma família dilacerada pela boa e velha bebida demoníaca; um conto difícil, mas tenro, da vida familiar.

Devo mencionar a maravilhosa co-produção bósnia / eslovena de “No Man’s Land” (2001), tornada possível graças ao financiamento do fundo europeu de coprodução, Euroimages. Este filme ganhou o prémio de melhor Argumento em Cannes e o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro.

“No Man’s Land”

No contexto de uma Europa dividida do século XX, a estética cinematográfica eslovena refletia claramente as características fronteiriças do país. Enquanto a influência do realismo social esteve presente nos filmes eslovenos desde o início, a estética cinematográfica na Eslovénia oscilou ao longo dos anos entre entretenimento e política, arte e indústria, estética e ideologia.

Isto é claramente ilustrado por um exame da linha histórica de importantes filmes eslovenos, começando com “On Our Own Land” (1948) de France Stiglic e continuando através de “Vesna” (1953) de Frantisek Cap e “The Valley of Peace” (1956) também do realizador France Stiglic nos anos 50, “Dancing in the Rain” (1961) e “A Sand Castle” (1962) do realizador Bostjan Hladniknos nos anos 60 e “Widowhood of Karolina Zasler” na década de 1970.

Nos anos 80, os filmes de Karpo Godina, “The Medusa Raft” (1980), “Red Bogie” (1982) e “Artificial Paradise” (1990), mostraram o desenvolvimento de uma nova geração de diretores audazes.

A “Primavera do filme esloveno”, na segunda metade da década de 1990, foi anunciada simultaneamente por dois filmes: ”Express, Express” (1998), de Igor Šterk, e “Outsider” (1997), de Andrej Košak.

O filme “Express, Express” se inspirou nos filmes (ferroviários) e na farsa tradicional , ganhou prémios em vários festivais europeus, enquanto “Outsider”, uma história de amor entre uma garota eslovena e um ‘outsider’ bósnio emolduradas pela crítica social e caracterizada pela precisão do ritmo próximo ao ritmo da vida  real foram fatores importantes e que caracterizaram o filme que acabou por ser um grande sucesso de bilheteria.

“Ekspres Ekspres”

O começo

A história do cinema esloveno não começa com a criação do estado independente da República da Eslovénia em 1991. Karol Grossmann (1864-1929) criou três curtas de não-ficção (filmes de atualidade e filmes caseiros) no início do século XX e é visto como um pioneiro do cinema esloveno.

Alguns curtas-metragens mudos e alguns experimentos sonoros apareceram na década de 1930, enquanto dois filmes turísticos do início da década de 1930, “In The Kingdon of the Goldhorn” e “The Slopes of Triglav” representavam as primeiras tentativas em longas-metragens.

Estes viram a introdução da estética do local e do filme nacional para esloveno, seguindo sua popularidade na Europa Central. Entre 1926 e 1940, o cineasta, cinegrafista e roteirista Metod Badjura filmou cerca de 30 curtas-metragens, e após a Segunda Guerra Mundial tornou-se amplamente conhecido como diretor de excelentes documentários.

Hoje, o Prémio Metod Badjura é o prémio pelo conjunto da obra e o mais alto reconhecimento de filmes da Eslovénia (concedido ao Festival Anual de Cinema Esloveno). De fato, os primeiros 50 anos do filme esloveno são caracterizados principalmente pela tradição do documentário (não-ficção).

Produção pós WW2

O primeiro longa-metragem do pós-guerra “On Our Own Land” (1948), dirigido por France Štiglic, marca o início do chamado “filme partidário”.

Havia uma linha de tais filmes que evitavam a idealização exagerada e a simplificação demagógica, e em vez disso abordavam questões do ponto de vista da experiência íntima e das dimensões existenciais da existência humana.

Em 1955, o imigrante checo František Čap criou “Moments of Decision” (1955), seguido pelas populares comédias “Vesna” (1953) e “Don’t Wait for May” (1957).

Uma tradição de filmes para jovens também começou nos anos 1950 com “Kekec” (1951) de Jože Gale, continuando com o filme partidário de France Štiglic, “Valley of Peace” (1956) e depois com “Hang on, Doggy” (1977) de Jane Kavčič.

Crítica Social e Política

Os anos 1960 foram marcados por uma onda de filmes socialmente críticos que abordaram os tabus da realidade eslovena, começando com “The Party” (1960) por Jože Babič e continuando com “Castelo Bulls” (1967) por Jože Pogačnik, esta onda coincidiu parcialmente com movimentos para o chamado “Novo filme iugoslavo” e a “Onda Negra Iugoslava” (representada, por exemplo, por Dušan Makavejev).

Depois de Boštjan Hladnik e Matjaž Klopčič, foi Karpo Aćimović Godina que teve um forte impacto com a sua abordagem de cinema, muitas vezes ampliando as possibilidades da linguagem cinematográfica de forma quase que experimental. O filme “The Medusa raft” (1980) é baseado nas citações e iconografia da década de 1920 e sua vanguarda artística, enquanto seu “Red Boogie” (1982) é um longa-metragem sobre uma banda de música excursionando pelo campo tocando música jazzística controversa no sistema comunista do pós-guerra.

A década de 1980 introduziu algumas mudanças nos assuntos mundiais e com reflexo direto no que acontecia nos países do bloco socialista liderar pela URSSA a Eslovenia também era bastante afetada a historia podia ser vista através da lentes de cineastas como por exemplo no film “See you in the Next War” (1980) de Zivojin Pavlovic, relacionado com a Guerra Civil Espanhola, enquanto “Ovni in mamuti” (1985) de Filip Robar Dorin pintou um retrato único dos bósnios como trabalhadores migrantes na Eslovénia.

Os títulos e o conteúdo de dois filmes feitos nos anos 1990, “Artificial Paradise” de Karpo Godina e “To the Limit and Beyond” (1990), de Jure Pervanje, indicavam que era novamente a hora da mudança, e mais uma vez ilustrando a dupla face do filme esloveno. O filme “Artificial Paradise” retornou ao período mais antigo do filme esloveno (descrevendo um encontro histórico incidental do pioneiro fotográfico Karol Grossmann e um oficial austro-húngaro anónimo, Fritz Lang, que mais tarde se tornou um famoso diretor de filmes europeus e americanos).

Para o fim e para o futuro retratou entretanto as façanhas dos ladrões na antiga Jugoslávia e ilustrou as aspirações comerciais do filme esloveno, que já mirava no futuro o que poderia vir com a independência eslovena em 1991.

Produção na década de 1990

O primeiro filme “independente” esloveno, “Granda Goes South” (1991) foi filmado por Vinci Vogue Anžlovar.

O filme “Express, Express” e “Outsider” mencionados acima apareceram em 1996.

Em 1998, a estudante Janez Burger da FAMU (Praga) demonstrou um toque de direção hábil com sua delicada comédia “Idle Running”.

O filme foi um sucesso internacional, recebendo mais de 20 prêmios nacionais e internacionais.

Mais recentemente, o cinema esloveno mostrou grande vitalidade criativa, com produções como “Sweet Dreams ara Made of This” (2001), de Sašo Podgoršek, a história nostálgica de um menino que quer um toca-discos e fará o que for preciso para consegui-lo, ambientado na Iugoslávia dos anos 1970.

Outra peça leve do mesmo ano foi “A Ode to a Poet”, a estreia do filme “Slovene Woody Allen” Martin Srebotnjak, criada para as comemorações dos 200 anos do poeta nacional esloveno France Prešeren (1800-1849) e assumindo os mitos e o legado do ícone Romeno esloveno.

2001 também viu o lançamento do longa-metragem de Jan, “Bread and Milk”, uma homenagem estilizada em preto e branco à natureza trágica eslovena e à alienação da sociedade de cidades pequenas que recebeu muitos elogios por sua originalidade e poética interior.

O filme com cenário mínimo e adereços esparsos também foi elogiado por seu uso inovador da luz, e ganhou o prémio Leão de Ouro do Futuro no Festival de Cannes de 2001.

Damjan Kozole também ganhou reconhecimento no Festival de Berlim com seu filme “Spare Parts” (2003), Kozole abordou o assunto delicado do tráfico ilegal de seres humanos. Kozole também foi convidado para fazer o curta-metragem Europa como parte do Visions internacionais da Europa envolvendo 25 diretores de 25 países da futura União Européia, produzidos pela produtora dinamarquesa Zentropa.

Primavera Eslovena

A representatividade dos cineastas da tendência mais forte da era pós-comunista chamada de “primavera eslovena” – são contra a adaptação. Isso resultou nas seguintes características do filme esloveno: após as mudanças políticas, a indústria cinematográfica do novo país – que havia estabelecido relativa independência já durante a era iugoslava – não via a continuidade como a base da nova identidade do cinema nacional, e sim começou a reescrever sua história do cinema.

A geração de novos cineastas que apareceram em meados e final dos anos 90 acreditava que as conexões literárias do cinema não fazem parte do conceito problemático de cinema nacional. A auto-imagem cinematográfica deste estado recém-criado foi construída sem a ajuda da literatura, pelo menos no caso dos cineastas pertencentes ao movimento da “primavera eslovena”. Em essência, estamos testemunhando uma batalha por narrativas legítimas no cinema esloveno. Nesse processo, a história da literatura corre paralela ao cinema em um sentido muito limitado.

Os maiores nomes do cinema Esloveno que contribuíram com o “movimento” da “primavera eslovena” foram:

  1. 1.Karpo Acimovic-Godina – Artificial Paradise (1990)
  2. 2.Vinci Vogue Anzlovar – Grandma Goes South (1991)
  3. 3.Miran Zupanic – The Cartier Operation (1991)
  4. 4.Metod Pevec – Everything is Under Control (1992)
  5. 5.Gypsy Eyes – Vinci Vogue Anzlove (1992)
  6. 6.Ales Verbic – Morana (1994)
  7. 7.Andrej Kosak – Outsider (1997)
  8. 8.Igor Sterk – Express, Express (1998)
  9. 9.Janez Burger – Idle Running (1999)

O cinema Esloveno de Animação

Miki Muster

50s – 60s

Miki Muster (1925-2018) é considerado o marco do início do filme de animação esloveno: Naquele ano, após retornar de Praga, onde estudou animação de bonecos com Jiři Trnka e Saša Dobrila completou seu primeiro filme de animação usando fantoches chamados “Seven at Once”, adaptado de uma história infantil dos Irmãos Grimm. Posteriormente, durante quase 10 anos, a produção de animação eslovena baseou-se inteiramente na animação de fantoches. Como não havia infraestrutura de produção, os autores precisavam constantemente inventar novas soluções tecnológicas. Então, na década de 1960, um novo nome apareceu na cena do filme de animação, o comediante Miki Muster, que misturou os estilos Disney e Walt Kelly com elementos de contos folclóricos locais. Depois de experimentar a criação de células de animação, ele fez três animações curtas no início dos anos 1960. Mais tarde, ele se concentrou apenas em comerciais animados antes de partir para a Alemanha, onde foi escolhido pelo ilustrador e animador argentino Guillermo Mordillo para animar seus personagens distintos.

Walt Kelly – Animação

Enquanto Muster adotou uma abordagem muito clássica, o trabalho de seu sucessor Črt Škodlar foi baseado no uso de técnicas experimentais. Seu filme “The Synthetic Comique” (1967) trata de formas abstratamente pintadas em um movimento acústico e pictórico, tentando obter a sincronização de seus componentes. Nessa época, artistas de Zagreb (Vukotić, Grgić, Ranitović) e da Polónia (Gierz, Kijowicz) vieram a Ljubljana para trabalhar com artistas eslovenos em curtas-metragens de animação.

Koni Steinbacher

Anos 70 – 80

Os anos 1970 trouxeram à tona uma nova geração de cineastas amadores cujas idéias e abordagens inovadoras dispensavam os estilos tradicionais de animação 2D. Koni Steinbacher foi um dos seus membros mais originais e logo começou a trabalhar profissionalmente em curtas-animações. Steinbacher ainda é muito ativo hoje, tanto como criador quanto como organizador de eventos e workshops.

No início dos anos 80, Bojan Jurc entrou em cena com uma série de desenhos humorísticos baseados em provérbios. No entanto, o projecto de animação de exportação mais bem sucedido da Eslovénia foi a série animada infantil “Bojan the Bear”, lançada em 1985 por Branko Ranitović, com sede em Zagreb, e que continuou até 1996 com Dušan Povh a fornecer as histórias.

No final dos anos 80, os artistas visuais e ilustradores Zvonko Čoh e Milan Erič começaram a colaborar, e em 1998, após quase 10 anos de trabalho caótico, terminaram o primeiro filme de animação do “Slovene Socializacija bika?” (The socialization of the bull?). Erič não continuou seu trabalho de animação devido a sua nomeação como professor de desenho na Academia de Belas Artes e Design. Čoh, que começou sua carreira em animação com “Kiss Me Gentle Rubber”, que ganhou um prêmio pelo melhor primeiro curta-metragem de animação em 1984 no Zagreb Animafest, agora continua a ilustrar a literatura infantil.

Em 1988, a animação eslovena recebeu seu maior prêmio internacional até hoje. Zdravko Barišič, autor do filme “Oblast” (Autorite), recebeu o Urso de Ouro de Melhor Curta no Festival Internacional de Cinema de Berlim. A narrativa de Barišič é cheia de simbolismo e ele agora se estabeleceu como um mestre teórico da animação.

Animação de Marjan Manček

Marjan Manček é um dos mais conhecidos ilustradores de livros eslovenos e cartunistas infantis, e seu amor pelo filme de animação provou ser tão contagiante que até sua esposa e seu filho, Mito Manček, trabalham com ele em animações curtas. Mito, ele mesmo apenas um adolescente, já começou a seguir seu próprio caminho artístico. Marjan Manček é um animador autodidata com um brilhante senso de humor. A série animada original de Marjan Manček, Hribci (Os Hillybillies), foi criada em 1993. Iniciou suas curtas animações para adultos sob o socialismo, quando seu conteúdo grotesco e irônico foi oculto o suficiente para não ser censurado. Hoje ele continua com sua abordagem crítica de uma maneira mais aberta, mas ainda cômica.

A “Black Wave” Yuguslavia

A “Onda Negra Iugoslava” é um termo que define uma série de filmes na ex-Iugoslávia que vão desde o final dos anos sessenta até o início dos anos setenta. Embora nunca tenha havido um manifesto oficial do movimento, há inegavelmente características comuns tanto na forma quanto no conteúdo que unem os filmes de notáveis ​​diretores iugoslavos da época, como Dusan Makavejev, Zivojin Pavlovic, Zelimir Zilnik e Sasha Petrovic.

A “Onda negra” veio como uma reação à série de filmes partidários que glorificaram a luta revolucionária durante a Segunda Guerra Mundial. Os personagens eram muitas vezes apenas um instrumento de propaganda. Isso causou uma onda de filmes mais sombrios, mais pessimistas e sombrios, nos quais os diretores manifestaram interesse em lidar com a psicopatologia da alma humana, bem como com o aparato político repressivo que tentou negar a liberdade individual rotulando-a como “anticolucionária”.

É importante notar que a intenção destes filmes não foi um apelo a uma verdadeira revolução política, mas sim uma crítica à República Federal Socialista da Jugoslávia, na esperança de concretizar uma sociedade mais produtiva, que pratique uma melhor e mais humana forma de socialismo.

No sentido artístico, a influência veio do cinema New Wave, Cinema Verite e o cinema de Autor, que começou a florescer na França, e depois, epidêmicamente, tomou conta de artistas de toda a Europa (com um eco significativo no filme americano). Além disso, movimentos como o neorrealismo italiano e a chamada Onda Negra Tcheca tiveram um grande papel na formação das bases poéticas do cinema Black Wave.

O cinema da Iugoslávia Black Wave dos anos sessenta e setenta é um dos grandes, embora ocultos, capítulos da história do cinema, tão notável por seu engajamento social e político, sua invenção formal e sua coragem.

Este tema e tão importante na historia do cinema iugoslavo que mereceu um livro inteiramente dedicado a ele, se a “Onda Negra Iugoslava” soou interessante após este pequeno resumo não se limite e encare o enorme oceano que é esse cinema através do livro: “Surfing the Black – Yugoslav Black Wave Cinema and Its Transgressive Moments” extremamente indicado.

Lista de times essenciais para uma introdução aos principais filmes eslovenos do passado e do presente.

Passado

  1. Dismissal From Mass In Ljutomer – Karol Grossmann – 1905
  2. The Ljutomer Fair – Karol Grossmann – 1905
  3. In the Kingdom of the Goldhorn – Janko Ravnik – 1931
  4. The Slopes of Triglav – Ferdo Delas – 1932
  5. Oh, Willow – Mario Foerster – 1945
  6. Ljubljana Welcomes Libertors – Mario Foerster – 1946
  7. On Our Own Land – France Stiglic – 1948
  8. Kekec – Joze Gale – 1951
  9. People Of kajzarje – France Stiglic – 1952
  10. The Upstarts – Bojan Stupica – 1953
  11. Vesna. – Frantisek Cap – 1953
  12. Kala – Kresimir Golik & Andrej Hieng – 1955
  13. Three Stories – Jane Kavcic & France Kosmac & Igor Pretnar – 1955
  14. Valley of Peace – France Stiglic – 1956
  15. Don’t Wait For May – Frantisek Cap – 1957
  16. Fantastic Ballad – Bostjan Hladnik – 1959
  17. Operation  – jane kavcic – 1960
  18. The Party – Joze Babic – 1960
  19. Dancing in The rain – Bostjan Hladnik – 1961
  20. The family Diary – Joze Gale – 1961
  21. A Sand Castle – Bostjan Hladnik – 1962

Presente

  1. Gradma Goes to South – Vinci Vogue Anzlovar – 1991
  2. Gypsy Eyes – Gypsy Eyes – 1992
  3. Outsider – Andrej Kosak – 1997
  4. Porno Film – Damjan Kozole – 2000
  5. Fuck it ! – Miha However – 2000
  6. Bread and Milk – Jan Cvitkovic – (2001)
  7. Rustling Landscapes – Janez Lapajne – (2002)
  8. Cheese and Jam – Branko Djuic – (2003)
  9. Here and There – Mitja Orkorn – 2004
  10. Desperado Tonic –  Varja Mocnik, Boris Petkovic  – 2004
  11. The Roosters Breakfast – Marko Nabersnik – 2007
  12. A Call Girl – Damjan Kozole – 2009
  13. A Trip – Nejc Gazvoda – 2011
  14. Class Enemy – Rok Bicek – (2013)
  15. Dual – Nejc Gazvoda – 2013
  16. Inferno – Vinko Moderndorfer – 2014
  17. Sailing to Paradise – Blaz Zavrsnik – 2014
  18. Šiška Deluxe – Jan Cvitkovic – 2015
  19. Idyll – Tomaž Gorkič – 2015
  20. Pr’ Hostar –  Luka Marčetič – 2016
  21. Nightlife – Damjan Kozole – 2016
  22. Pod Gladino –  Klemen Dvornik – (2016)
  23. Houston, We Have a Problem – Ziga Virc – (2016)

Curiosidades
O filosofo e escritor esloveno Slavoj Žižek é responsável por uma trilogia interessantíssima que nos oferece um “guia para o cinema”; “The Pervert’s Guide to Cinema” (2006); “Examined Life” (2008); “The Pervert’s Guide to Ideology” (2012). Nesses filmes Slavoj mostra como filmes clássicos como “The Birds” (1963) de Alfred Hichcock, tem uma relação diretas com paradigmas da sociedade.

Referencias
Silvan Furlan
Tim Doling
Helena Pivec
Perfil Cultural da Eslovênia