A vida de Arthur Ashe, tenista e ativista, vai ser contada em filme 

Vêm aí um filme biográfico sobre o campeão de ténis e ativista afro-americano dos direitos civis, Arthur Ashe, produzido pelo Hyde Park Entertainment Group e a Warner Music Group.

O argumento será escrito por Kevin Willmott, argumentista de filmes como “BlacKkKlansman” (2018) e “Da 5 Bloods” (2020).

A história é inspirada no tenista norte-americano quando se tornou no único negro a vencer o Open dos EUA e o Open da Austrália, alcançando o primeiro lugar no mundo. A vitória de Ashe no Open dos EUA de 1968 aconteceu numa altura em que o país lidava com os assassinatos de Robert Kennedy e Martin Luther King Jr., com os protestos contra a guerra no Vietname e o movimento pelos direitos civis. Ashe teve ainda um papel importante na luta contra o apartheid na África do Sul e a defesa dos refugiados do Haiti.

O filme irá incluir músicas da época, destacando as obras de artistas afro-americanos emblemáticos,  tais como Aretha Franklin, Prince, Curtis Mayfield e outros.

“O legado de Arthur vai muito além de sua grandeza como tenista. Sempre um cavalheiro; ousado, gracioso e intelectual; enquanto, ao mesmo tempo, era apaixonado na sua luta contra a desigualdade e a injustiça racial. Tenho a honra de trazer a história de Arthur para o  grande ecrã”, disse Ashok Amritraj, Presidente e CEO do Hyde Park Entertainment Group.

Ao longo de sua vida, Ashe trabalhou incansavelmente para combater o racismo e a pobreza em todo o mundo e dedicou esse mesmo tempo, energia e cuidado na criação de oportunidades para jovens de todas as origens terem acesso ao ténis.

Após uma cirurgia no cérebro em 1985, Ashe descobriu que era seropositivo, tendo provavelmente contraído a infeção durante uma das duas cirurgias cardíacas a que foi submetido em 1979 ou 1983. Dirigiu-se à Assembleia Geral das Nações Unidas em 1992, solicitando um aumento do financiamento para a pesquisa da sida e também fundou o Arthur Ashe Institute for Urban Health para levar programas ao centro da cidade, para educar e promover melhores cuidados de saúde. Ashe morreu em 1993, aos 49 anos.