A Midas Filmes estreia a 30 de maio, no Cinema Ideal (Lisboa) e no Cinema da Villa (Cascais), “A Violação de Recy Taylor”, de Nancy Buirski, um filme que expõe um legado de abuso físico das mulheres negras e revela o papel de Rosa Parks no caso de Recy Taylor. O documentário estreou no Festival de Veneza em 2017 e no New York Film Festival.

“O documentário imprescindível sobre uma mulher que ousou falar e denunciar os homens que a violaram” será editado em DVD uma semana depois e estará disponível nos videoclubes dos operadores de televisão e na plataforma de streaming Filmin a 7 de junho.

Recy Taylor (1919-2017), é uma mãe de 24 anos negra, que é violada por seis homens brancos, em 1944, no Alabama. Nestas situações, poucas mulheres falavam, temendo pelas suas vidas. Mas Recy Taylor identificou os seus violadores. Rosa Parks investigou o caso e apoiou-a na sua tentativa de conseguir justiça.

A comunidade negra ficou indignada com as ações tomadas pela polícia, tendo feito denuncia à Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP), que nomeou a investigadora e ativista contra agressões sexuais a mulheres negras, Rosa Parks para defender o caso Taylor.

Oprah Winfrey destacou a importância de Recy Taylor no seu discurso de agradecimento na cerimónia da 75.ª edição dos Globos de Ouro em que foi distinguida com o Globo de Ouro pela sua carreira: “É um nome que conheço e que vocês também deviam conhecer. Durante demasiado tempo as mulheres não foram ouvidas nem acreditaram nelas quando ousaram contar a sua verdade”.