Globos-Ouro-2021-3

Após polémica nos Globos de Ouro o canal NBC não vai transmitir a cerimónia de 2022

O canal norte-americano NBC anunciou esta segunda-feira (10 de maio) que não irá transmitir a cerimónia dos Globos de Ouro de 2022, depois das polémicas que envolvem a Associação de Imprensa Estrangeira em Hollywood (Hollywood Foreign Press Association – HFPA).

A NBC, que todos os anos paga à HFPA uma taxa de 60 milhões de dólares pelos direitos de exibição da cerimónia, a segunda mais mediática nos EUA, depois dos Óscares, fez o anúncio pouco tempo depois da HFPA anunciar uma reforma institucional para corrigir os erros do passado.

“Continuamos a acreditar que a HFPA está empenhada numa reforma significativa. No entanto, mudanças desta magnitude exigem tempo e trabalho, e acreditamos fortemente que a HFPA precisa de tempo para fazê-lo da maneira correta. Como tal, a NBC não irá transmitir os Globos de Ouro de 2022. Assumindo que a organização executa o seu plano, temos esperança de estar em posição de transmitir o espetáculo em janeiro de 2023.”, lê-se no comunicado.

A polémica surgiu em fevereiro deste ano, ainda antes da 78.ª cerimónia dos Globos de Ouro, por causa de uma investigação do jornal Los Angeles Times, que denunciou várias queixas feitas por membros da HFPA sob anonimato. A HFPA é acusada de não ter nenhum membro negro, de ser conservadora, elitista, de praticar bullying entre os seus membros e de má gestão do dinheiro.

Um dia antes da cerimónia dos Globos de Ouro 2021, a atriz Ellen Pompeo escreveu uma carta aberta dirigida à HFPA, “White Hollywood” (“Hollywood branca”), em que a atriz expôs as suas críticas à HFPA pela falta de diversidade.

Desde então que tem surgido uma onda de boicote aos Globos de Ouro em Hollywood. A 6 de maio, cerca de 75 dos 86 membros do HFPA aprovaram uma série de reformas de inclusão e diversidade, que inclui o aumento de 50% do quadro de associados nos próximos 18 meses, a contratação de jornalistas negros, bem como a reforma do restritivo sistema de admissões.

No entanto, no dia seguinte, a Netflix, a Amazon e a WarnerMedia anunciaram que não se iriam envolver mais com a HFPA até que mudanças mais sérias e profundas fossem feitas. Ou seja, os estúdios cortaram laços com a HFPA, demonstrando que as intenções da HFPA não são suficientes e que já vêm tarde demais.

A onda de contestação em Hollywood tem crescido. Segundo o avançou o site Deadline, Tom Cruise devolveu os seus três troféus que conquistou ao longo da sua carreira: os de Melhor Ator por “Nascido a 4 de Julho” (1989) e “Jerry Maguire” (1996), e o de Ator Secundário por “Magnolia” (1999). O ator apelou ainda para que outras estrelas de Hollywood sigam o seu exemplo.

Outras vozes críticas têm-se juntado a este movimento, como Mark Ruffalo, David Oyelowo, Shonda Rhimes e a realizadora Ava DuVernay. Esta última publicou no Twitter que “os efeitos em cascata ecoam na nossa indústria, especialmente para artistas negros e artistas de cor. Parabéns a todos os ativistas, artistas, publicitários e executivos que se posicionaram nesse sentido.”

Após o anúncio do canal NBC de que não irá transmitir mais a cerimónia dos Globos de Ouro, a Hollywood Foreign Press Association – HFPA divulgou um comunicado oficial a reforçar de que está empenhada em implementar “mudanças transformadoras o mais rápido possível” e divulgou no seu site um cronograma com as alterações que pretendem fazer, demonstrando assim o seu “compromisso em alcançar essas metas com extrema urgência”. Segundo se lê no cronograma da HFPA, esta prevê uma mudança no seu regulamento e a contratação de novos profissionais e vão manter o compromisso de adicionar pelo menos 20 novos membros até agosto de 2021 e aumentar o número de membros em 50% em 18 meses. A HFPA prevê que estas medidas sejam implementadas até ao dia 2 de agosto de 2021.

 

Skip to content