As Escolhas de Sofia

“Mas quem é a Sofia? E porquê é que interessa o que ela escolhe? A Sofia é uma amante da sétima arte, com formação em psicologia, que nos trará semanalmente uma análise idiossincrática de um filme da sua preferência. Opinião sincera e repleta de curiosidades, acerca de filmes, muitas vezes ignorados pelas luzes da ribalta, mas que de alguma forma merecem protagonismo, pelo interesse do ponto de vista psicológico, da análise do comportamento e da personalidade, e dos benefícios de os visionar. Esperamos que não fique indiferente a esta nova rubrica, e que torne as escolhas da Sofia suas escolhas também!”

O Exótico Hotel Marigold (2011) – Uma Paleta de Cores

Em “O Exótico Hotel Marigold” (“The Best Exotic Marigold Hotel”) a aposta para o sucesso surge, desde logo, no ilustre e conceituado leque de atores. Gigantes da sétima arte como Judi Dench, Tom Wilkinson, Bill Nighy, Maggie Smith, Penelope Wilton, Ronald Pickup e Celia Imrie interpretam as personagens de um grupo de idosos, desgostosos com os desafios da vida atual, que resolvem embarcar numa viagem para a India e hospedar-se no hotel que dá nome ao filme, aliando o seu talento a uma história divertida e cativante.

Baseado no romance de Deborah Moggach “These Foolish Things”, realização de John Madden (também realizador de “A Dívida” e “A Paixão de Shakespeare”) e argumento de Ol Parker, este filme Britânico integra ainda o talentoso Dev Patel (estrela de “Quem Quer Ser Bilionário?”) no papel de Sonny, o proprietário do hotel.

Após a morte do seu pai, Sonny, um jovem simples e sonhador, herda um hotel em Jaipur, que deseja transformar num magnífico e aconchegante local de repouso para os mais velhos. Contudo não possui recursos económicos que o permitam cumprir a promessa da imagem que apresenta. No entanto, o seu otimismo convence os seus hóspedes.

Evelyn (Judi Dench) recentemente viúva foi obrigada a vender a sua casa em função das dívidas contraídas pelo marido. Procura na India a aventura que nunca teve coragem de viver.

Graham (Tom Wilkinson) é um juiz aposentado assombrado pela culpa de uma omissão, que regressa à India para encontrar o grande amor da sua vida.

Douglas (Bill Nighy) e Jean (Penelope Wilton) casados há mais de trinta anos, tentam manter a chama do casamento após um mau investimento financeiro.

Muriel (Maggie Smith) é uma solitária governanta reformada que viaja para a India para se submeter a uma intervenção cirúrgica.

Norman (Ronald Pickup) é um libertino mulherengo que procura uma aventura e muitas paixões.

Madge (Celia Imrie) vai há procura de um marido rico que consiga sustentar os seus caprichos e satisfazer o seu voraz apetite sexual.

Todos viajam para a India para aproveitarem as (poucas) regalias da reforma, e a comédia dá espaço ao drama, quando se começam a explorar as fragilidades da vida de cada personagem.

Um filme com muitos elementos mas capaz de equilibrar a participação de cada um, explorando as relações entre as pessoas e o país que as acolhe.

Acaba por mostrar a beleza e o colorido da cidade indiana, permitindo o contraste entre as pobres condições de vida dos habitantes e a euforia que se faz sentir, sem deixar cair a seriedade das lições de moral.

Esta é uma comédia dramática que explora fortes críticas sociais (por vezes com recurso a alguns clichés), temas muito importantes como o amor e o sexo na terceira idade, a forma como a sociedade trata os idosos, e o choque entre culturas.

Nomeado para dois Globos de Ouros, esta é uma agradável surpresa que merece ser vista e apreciada. E não digam a ninguém mas vai ter uma sequela. Portanto aproveitem as vossas férias para viajar até a este “exótico hotel”. Eu volto em Setembro, com novas recomendações.

Até lá, bons filmes e boas férias.

“Everything will be all right in the end… if it’s not all right then it’s not yet the end.”

"O Exótico Hotel Marigold" (2011)_2