“Aya to Majo”, o primeiro filme Ghibli em CGI 

Segundo avançou a Variety, os Estúdios Ghibli estão a produzir a sua primeira longa-metragem em animação CGI (animação digital), “Aya to Majo”  (“Aya e a Bruxa”), realizada por Goro Miyazaki, filho de Hayao Miyazaki.

Baseado em “Earwig and the Witch”, um livro infantil de Diana Wynne Jones, este filme é o primeiro projeto de computação gráfica em 3D completo para a Ghibli, saindo do estilo de desenho à mão tradicional que caracteriza o estúdio. O filme, uma coprodução entre Ghibli, NHK e NEP (NHK Enterprises), estreia no inverno deste ano na televisão japonesa NHK e não está previsto que venha a estrear nas salas de cinema. O filme também foi hoje anunciado como uma das quatro seleções de filmes de animação para o Festival de Cannes 2020.

No livro original, Earwig (que na adaptação se chama Aya) vive num orfanato, e está bastante feliz com a sua situação até que é adotada por uma bruxa e levada para morar numa casa sinistra.

Em comunicado, o produtor da Ghibli, Toshio Suzuki, disse estar preocupado em como é que “Aya to Majo” poderia aguentar-se num ambiente pós-COVID-19. “Pensei nisso várias vezes enquanto assistia às filmagens”, disse ele. “E percebi que uma das particularidades deste filme é a inteligência de Aya. E se se é inteligente, pode-se sobreviver a qualquer período da história. Quando pensei nisso, senti-me aliviado.”

Esta será a terceira longa-metragem de Goro Miyazaki, depois de “Contos de Terramar” (2006) e “A Colina das Papoilas” (2011). Entretanto, Hayao Miyazaki e a sua equipa continuam a trabalhar na produção do próximo filme do cineasta, que não deverá estrear antes de 2023.