“Cândido – O Espião que veio do Futebol”, de Jorge Paixão da Costa, estreia em maio nos cinemas

Protagonizado por Tomás Alves no papel de Cândido de Oliveira, o filme conta a história de uma das mais emblemáticas figuras do futebol português.
"Cândido - O Espião que veio do Futebol", de Jorge Paixão da Costa "Cândido - O Espião que veio do Futebol", de Jorge Paixão da Costa
"Cândido - O Espião que veio do Futebol", de Jorge Paixão da Costa

Produzido pela Ukbar Filmes, “Cândido – O Espião que veio do Futebol” retrata a história de uma das personalidades mais marcantes do futebol português que se tornou um valioso agente ao serviço dos Aliados na luta contra os nazis, durante a 2.ª Guerra Mundial. O filme estreia nas salas de cinema nacionais a 9 de maio.

Depois de “Jacinta” (2017) e “Soldado Milhões” (2018), Jorge Paixão da Costa assina mais um filme de época da História de Portugal, desta vez para contar “a face menos conhecida do homem que deu o seu nome à supertaça do desporto mais popular de Portugal”, Cândido de Oliveira.

Escrito por Mário Botequilha, Pandora da Cunha Telles e pelo próprio realizador, o filme baseia-se em factos verídicos e inspirado na realidade da época do Estado Novo, para explorar “a misteriosa vida de Cândido de Oliveira. Esta notável personalidade exerceu funções como telegrafista, jornalista, selecionador nacional, jogador de futebol… e espião. Desempenhando um papel crucial, Cândido de Oliveira envolveu-se num complexo esquema de espionagem que ajudou os Aliados no decorrer da II Grande Guerra.”

Segundo o realizador Jorge Paixão da Costa, “A história conhece-lhe poucos amores, mas muitos humores. Usou o seu dom para inspirar todos aqueles que o rodeavam. Para Cândido: O mundo tem que mudar para melhor”. Os produtores, Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola, deixam a pergunta “Como é que um homem sem experiência na espionagem, com uma carreira estável no futebol, corre tantos riscos e participa nesta perigosa conspiração?”

Nascido em 1896, Cândido de Oliveira começou a jogar futebol na Casa Pia, tendo aí desenvolvido “o seu interesse e capacidades pelo futebol, as quais o levaram a tornar-se o primeiro capitão da Seleção Nacional e a liderar a equipa que competiu nos Jogos Olímpicos de 1928. Fora dos campos, o ex-casapiano abraçou a carreira como Inspetor dos Correios, nos CTT, e aventurou-se no jornalismo desportivo, contribuindo para várias publicações renomadas da época como o Vitória, o Football, a Gazeta Desportiva e a Stadium, sendo mais tarde fundador do jornal A Bola.”

Combateu contra o regime do Estado Novo, tendo sido enviado para o campo de concentração do Tarrafal onde esteve entre abril de 1942 e 1944. “Caracterizado pela sua determinação, combatividade, um certo orgulho, mas acima de tudo lealdade e uma capacidade estratégica para encontrar soluções, Cândido dividia o seu tempo entre os treinos de futebol e a vida de agente, empenhando-se numa luta incansável pela liberdade.”

Protagonizado por Tomás Alves (no papel de Cândido), o elenco conta ainda com Teresa Tavares, Carloto Cotta, Jorge Corrula, Filipe Vargas, David Medeiros, Tiago Aldeia, João Didelet, Francisco Froes, Margarida Moreira, Lourenço Ortigão, Mariana Monteiro, entre outros.

Skip to content