Cary Grant: 10 filmes para conhecer um dos atores mais arrojados de Hollywood

Emergindo na década de 1930 como um dos protagonistas mais arrojados de Hollywood, o ator Cary Grant era uma estrela simpática e bonita que deslumbrou o público por mais de três décadas. Seus primeiros filmes eram recursos pré-codificados que às vezes tinham histórias picantes, enquanto seus trabalhos posteriores foram alguns dos dramas mais celebrados de sua época.

Grant em 1959

Grant era um ícone de elegância masculina, que costumava aparecer em publicações de moda, e como lenda do cinema não deixou de despertar interesse e motivar discursos nostálgicos sobre os bons tempos em que a relação entre os astros, a câmera e o público era muito menos artificial que hoje em dia. Entretanto, em reportagem publicada em 08/03/2020, no Aventuras na História, Vanessa Centamori revelou que, ao mesmo tempo, o astro levava uma vida secreta longe dos holofotes, que nada tinha a ver com a imagem segura e sedutora que ele mostrava em frente às câmeras. Segundo ela, existem relatos de que Grant era um homem bem atormentado e sofria de depressão.

No grande ecrã, Grant costumava interpretar homens ricos da cidade, soldados suaves e executivos carismáticos. Ele estrelou ao lado de algumas das protagonistas mais famosas de Hollywood, de Katharine Hepburn e Doris Day a Marilyn Monroe e Rita Hayworth. Seu corpo de trabalho também era variado: ele apareceu em quase tantas comédias insanas quanto em dramas densos, e fez vários thrillers tensos, incluindo quatro clássicos de Alfred Hitchcock.

O ícone bissexual surpreendeu o mundo quando se aposentou da atuação aos 62 anos (1966), mudando seu foco para sua família. Era o fim de uma era para Grant, que ainda era uma das estrelas de cinema mais conhecidas e reconhecíveis da época. Grant morreu de derrame em 1986, mas continua sendo um ícone da velha Hollywood.

Reprodução / Cannes Film Festival

Nessa perspectiva, o Cinema Sétima Arte resolveu examinar o legado cinematográfico desse galã que marcou a era clássica de Hollywood. Um ator único, afável, de atitude alegre ao atuar e senso de timing cômico.

Confira abaixo um panorama dos principais filmes do sensível Cary Grant:

 

 

As Duas Feras (1938), de Howard Hawks 

Embora não tenha sido um sucesso após o lançamento, a comédia de Cary Grant e Katharine Hepburn, “As Duas Feras”, ganhou lentamente uma reputação melhor ao longo dos anos. Grant interpreta o manso paleontólogo David Huxley, que está em uma longa jornada para montar o esqueleto de um brontossauro, precisando apenas de um último osso para completá-lo. Enquanto ele tenta impressionar a Sra. Robson, a mais nova benfeitora de seu museu (que pode muito bem financiá-los no valor de US$ 100 milhões), ele conhece uma jovem chamada Susan (Hepburn), que transforma seu plano simples em caos.

Grant e Hepburn em As Duas Feras

A vida de Huxley é virada de cabeça para baixo pelo boêmio de alta energia, que (alerta de spoiler) acaba sendo a filha de Robson. Ele deveria se casar, mas isso não impede Susan, que rapidamente se torna obcecada por Huxley e não o deixa se casar sem lutar. Uma comédia romântica com muitas risadas, “As Duas Feras” é uma brincadeira agradável que sobreviveu a um lançamento ruim e ficou conhecida como uma das melhores comédias de Cary Grant.

 

A Irmã de Minha Noiva (1938), de George Cukor

A terceira colaboração entre as lendas do cinema Cary Grant e Katharine Hepburn, “A irmã de minha noiva”, de 1938, é uma comédia romântica que coloca Grant no papel de Johnny Case, um homem recém-noivo cuja noiva Julia (Doris Nolan) é filha de um rico banqueiro. Depois de lutar para ganhar a aprovação do exigente pai de Julia, ele começa a se preocupar que a vida como marido dela possa ser um pouco limitante demais para seus caminhos livres. As coisas ficam ainda mais complicadas quando ele conhece a irmã independente de Julia, Linda (Hepburn).

Grant e Hepburn em A irmã de minha noiva

Os dois parecem se encaixar, e Case começa a se perguntar se sua futura cunhada pode ser mais adequada para ele. Ele aceita um emprego em um banco para apaziguar o pai de Julia e Linda, mas fica muito mais tentado pela ideia de viajar pelo mundo com Julia. No final, não podemos deixar de torcer por eles. Adorado em toda a linha, “A irmã de minha noiva” tem uma classificação de 100% no Rotten Tomatoes e continua sendo um filme imperdível para os fãs do Grant vintage.

 

Paraíso Infernal (1939), de Howard Hawks

Cary Grant, Jean Arthur e Rita Hayworth estrelam o filme de 1939 “Paraíso infernal”. Este drama polpudo apresenta Grant como o piloto Geoff Carter, que administra uma pequena companhia aérea que faz seus negócios executando rotas arriscadas pela América do Sul. Carter acaba de conhecer a talentosa showgirl Bonnie Lee e seu relacionamento parece estar florescendo mais rápido do que seu negócio. Geoff e sua equipe fazem uma corrida especialmente perigosa para garantir um lucrativo contrato com o governo, e é uma missão que a nova donzela apaixonada de Geoff não quer que ele voe. Bonnie causa um acidente que mantém Geoff de castigo e seu co-piloto não confiável, MacPherson, sai em seu lugar.

Grant e Hayworth em Paraíso Infernal

Uma história de amor romântica misturada com ação de alto voo e aventura cheia de adrenalina, “Paraíso infernal” foi um triunfo para Grant, que estava em seu elemento como Geoff Carter. Uma performance de destaque de uma jovem Hayworth (ela interpreta a esposa de MacPherson e ex-amante rejeitada de Carter) ajudou a catapultá-la para o estrelato. Os críticos adoraram, e definitivamente resistiu ao teste do tempo: “Paraíso infernal” tem uma classificação de 100% no Rotten Tomatoes.

 

Casamento Escandaloso (1940), de George Cukor

O último filme a apresentar Cary Grant e Katharine Hepburn, “Casamento escandaloso” também é o melhor deles, desembarcando em 1940 com ótimas críticas. Uma espécie de retorno para Hepburn, cuja bilheteria foi questionada após uma série de fracassos, “Casamento escandaloso” a segue no papel de Tracy Lord, uma socialite egoísta. Tracy acaba de se divorciar de seu marido CK Dexter Haven (Grant) e já está à beira de núpcias com seu novo homem George Kittredge. O intrépido repórter Mike Cooper (James Stewart) quer cobrir o casamento de alto nível e, com a ajuda de Dexter, consegue um convite. Ele pretende escrever uma exposição depreciativa sobre a família, mas as coisas não saem conforme o planejado.

Grant e Hepburn em Casamento escandaloso

Com Mike agora na mistura, Tracy se vê dividida entre as afeições de três homens arrojados. Um elenco repleto de estrelas em sua melhor forma ajudou esta comédia romântica a se tornar um grande sucesso entre os críticos. O New York Times achou um retorno refrescante à forma, dizendo: “Faz muito tempo desde que Hollywood se gastou de forma tão extravagante e com um efeito tão divertido, em uma fábula direta da classe alta”. Este é mais um filme de Cary Grant com uma pontuação perfeita de 100% no Rotten Tomatoes.

 

O Mundo é um Manicómio (1944), de Frank Capra

Uma amada comédia de humor estadunidense do célebre diretor Frank Capra, “O Mundo é um Manicómio”, de 1945, é estrelado por Cary Grant e Priscilla Lane como os recém-casados ​​Mortimer e Elaine. Assim que eles estão prestes a começar sua nova vida juntos, Mortimer descobre que suas tias, Abby e Martha, são seriais killers que estão atraindo solteiros solitários para sua casa oferecendo um quarto para alugar. Como se isso não bastasse, Mortimer descobre que seu irmão excêntrico Jonathan também é um assassino, e os membros da família assassina brigam sobre onde enterrar suas vítimas.

Grant em O Mundo é um Manicómio

Mortimer deve encontrar uma maneira de salvar seus parentes distorcidos deles mesmos, e com tantos assassinos psicóticos em sua família, ele também deve lidar com o pensamento de que em algum lugar dentro dele há um louco retorcido esperando para ser libertado. Um filme sombrio com muitos momentos de gargalhadas, “O Mundo é um Manicómio” é tão tumultuado agora quanto era naquela época. Grant ajudou a transformar este remake da peça de teatro (estrelada por Boris Karloff) em um grande sucesso, eclipsando o original.

 

Difamação (1946), de Alfred Hitchcock 

Alfred Hitchcock recrutou Cary Grant para “Difamação”, de 1946, um filme que se destaca como um ponto alto na carreira de ambos. Ao lado de Claude Rains e da icónica Ingrid Bergman, Grant estrela como o espião americano TR Devlin. Após a Segunda Guerra Mundial, um grupo de agentes nazistas fugiu para o Brasil, e Devlin se propõe a trazê-los. Para isso, ele conta com a ajuda de Alicia Huberman (Bergman), filha de um proeminente criminoso de guerra alemão na prisão.

Grant e Bergman em Difamação

A missão de Alicia é se infiltrar no grupo nazista no exterior conquistando o coração de um dos confidentes de seu pai, mas é complicado quando ela e Devlin se apaixonam. Este é um dos melhores filmes de espionagem de todos os tempos, segundo a Esquire, e também um dos melhores de Grant. Na era anterior a James Bond, o ator provou ser o agente secreto cinematográfico perfeito, exalando um charme romântico e carisma suave que poucos foram capazes de igualar.

 

Ladrão de Casaca (1955), de Alfred Hitchcock

O terceiro filme de Alfred Hitchcock com Cary Grant, “Ladrão de Casaca”, de 1955, emparelhou o protagonista de Hollywood com Grace Kelly, outra colaboradora regular de Hitchcock. Kelly estava a poucos anos de sua aposentadoria chocante aos 26 anos (seu último grande filme, curiosamente, foi o musical “Alta Sociedade”, um remake de “The Philadelphia Story”, de Grant). Um thriller romântico, “Ladrão de Casaca” começa com um ladrão de joias aposentado chamado John Robie (apelidado de “The Cat”) desfrutando de uma vida fácil em uma vila francesa. Mas, apesar de ter deixado o jogo para sempre, Robie se vê atraído de volta aos seus velhos hábitos quando uma série de roubos de imitação atinge o campo e ele se torna o principal suspeito.

Grant e Kelly em Ladrão de Casaca

Para limpar seu nome, Robie foge e investiga os roubos ele mesmo. Ao se aproximar de seu suspeito, ele conhece Frances, filha de um rico magnata. Os dois se apaixonam enquanto trabalham juntos para capturar o novo mestre ladrão e provar que Robie é inocente. Uma alcaparra de crime tensa e emocionante com todas as características de Hitchcock, “Ladrão de Casaca” encantou o público e a crítica e continua sendo um filme amado por sua história imprevisível e produção elegante.

 

O Grande Amor da Minha Vida (1957), de Leo McCarey

O drama romântico de 1957 “O grande amor da minha vida” está entre os melhores filmes da parte final da longa carreira de Cary Grant. Aqui ele estrela como Nickie Ferrante ao lado de Deborah Kerr como Terry McKay, dois passageiros de linhas de cruzeiros que se encontram a bordo do navio. Depois que as faíscas voam, eles concordam em se reunir em seis meses no topo do Empire State Building em Nova York, caso ambos se encontrem solteiros e queiram seguir um romance juntos.

Grant e Kerr em O grande amor da minha vida

A tragédia ocorre quando Terry se envolve em um acidente automobilístico que a deixa em uma cadeira de rodas. Felizmente, os dois têm um encontro casual anos depois e provam que nada pode impedir o amor verdadeiro. O filme ficou em quinto lugar na lista da AFI das maiores histórias de amor já contadas, superada apenas por nomes como “Casablanca” e “West Side Story”. Concorreu a quatro Óscares, embora o próprio Grant não tenha recebido uma nomeação.

 

Intriga Internacional (1959), de Alfred Hitchcock

“Intriga Internacional”, de 1959, foi a quarta e última colaboração entre Cary Grant e Alfred Hitchcock, e a dupla estava claramente deixando o melhor para o final. Um dos maiores filmes de suspense já feitos, é estrelado por Grant como o publicitário de Nova York Roger O. Thornhill, um executivo de boas maneiras que se torna alvo de uma figura sombria chamada Phillip Vandamm (James Mason). Em um caso de identidade equivocada, Vandamm acredita que Thornhill é um agente de inteligência. Ele não vai parar por nada para derrubá-lo para garantir o sucesso de sua última operação.

Grant em Intriga Internacional

O filme de perseguição por excelência, “Intriga Internacional” envia Grant em uma jornada angustiante pelo país de um local para outro, na tentativa de ficar um passo à frente de seus perseguidores. Apresentando algumas das sequências de ação mais famosas da história do cinema (incluindo a cena icônica em que Grant foge de um avião que se aproxima), este filme causou uma grande impressão na cultura pop e provou ser um enorme prazer para o público ao longo dos anos. Grant fez alguns filmes fantásticos em seu tempo, mas “Intriga Internacional” é facilmente o seu melhor.

 

Charada (1963), de Stanley Donen

Cary Grant era um dos atores mais céleres de Hollywood em 1963, quando teve uma atuação imponente em um filme que estaria entre os melhores. “Charada” o tem ao lado da mítica Audrey Hepburn, que (apesar de ser 25 anos mais jovem) interpreta seu interesse amoroso. Uma mistura de temas de romance, comédia e mistério, “Charada” é muitas vezes referido como o melhor filme de Hitchcock que Hitchcock nunca fez. Segue Regina Lampert (Hepburn), cujo marido é assassinado em circunstâncias misteriosas. Uma visita da CIA revela que seu amante fez parte de uma operação secreta durante a guerra, mas traiu a resistência francesa e três co-conspiradores, fugindo com um quarto de milhão de dólares.

Grant e Hepburn em Charada

Tanto os ex-associados criminais do marido quanto o governo dos EUA acham que Regina tem dinheiro, mas um novo homem charmoso em sua vida chamado Peter (Grant) a ajuda a ficar um passo à frente deles. Mas, à medida que o filme continua e os segredos começam a ser revelados, Regina descobre mais sobre Peter e não sabe em quem pode confiar. Com uma série de reviravoltas e revelações chocantes, “Charada” é um thriller clássico e estiloso que o manterá adivinhando até o fim.

Skip to content