Segundo dados do ICA (Instituto do Cinema e do Audiovisual), as salas de cinema portuguesas acolheram cerca de três milhões de espectadores (3.075.894, para ser exato) entre janeiro e março, o que representa uma quebra de 17,2% face ao primeiro trimestre de 2018. Por outro lado, é de assinalar que houve uma descida, também de 17,2%, na receita bruta de bilheteira no mesmo período, passando de 19,9 para 16,5 milhões de euros.

O filme mais visto este ano, até agora, é “Capitão Marvel”, com 233 mil espectadores, seguindo-se “Como Treinares o Teu Dragão: O Mundo Secreto” (178.292 espectadores) e “Green Book – Um Guia Para a Vida” (168.814), na segunda e terceira posição dos mais vistos, respetivamente. Quanto ao cinema português, “Snu”, de Patrícia Sequeira, levou 60.349 espectadores e Tiro e Queda” registou 43.864 espectadores. Além disso, entre janeiro e março deste ano, houve 157.139 sessões de cinema em todo o país, com uma média de 19 espectadores por sessão.

Numa altura em que há cada vez menos pessoas a se comprometer a explorar a magia da sala de cinema, com os serviços de streaming a dominar as hostilidades, a magia do cinema, do grande ecrã, vai perdendo cada vez mais brilho. É tempo de não misturar as coisas, nem de confundir realidades. Tudo é passível de coexistir, com critério e uma paixão genuína pela sétima arte.