Cinemateca digitaliza mil filmes portugueses até 2025

Com base no PRR (Plano de Resolução e Resiliência), a Cinemateca Portuguesa terá a oportunidade de digitalizar mais cinema português. Podem ser mil filmes digitalmente adicionados, como meio de divulgação da sétima arte nacional. São abrangidas longas-metragens não-digitalizadas num máximo de 500 títulos produzidos desde 1920 até 2010. Serão também digitalizadas algumas centenas das 13.500 curtas-metragens que estão em arquivo na Cinemateca.

Para tal, é aberto um concurso internacional “para contratar uma empresa ou consórcio de empresas que assumirá a responsabilidade de executar o conjunto das tarefas” previstas no plano de digitalização de longas e curtas-metragens da história do cinema português, afirma o director da Cinemateca, José Manuel Costa.

O concurso acontece tendo em conta que a Cinemateca não tem autonomia para a contratação directa de técnicos profissionais da área.

O projecto foi apresentado, detalhadamente, no passado dia 12 deste mês, para produtores, realizadores e outros agentes do cinema e audiovisual.

A maior parte das fases das digitalizações decorrerá nas instalações no Arquivo Nacional das Imagens em Movimento (ANIM).

ANIM
Skip to content