Já lá vão 25 anos desde que “Conta Comigo” (“Stand by Me”) estreou, em 1986. Há 25 anos a emocionar gerações que sonham com as memórias do seu passado. Tornou-se num filme de culto e é hoje um clássico dos anos 80, um clássico que nos faz recordar os tempos de infância, inocência e liberdade.

Baseado no conto “The Body” de Stephen King, do livro “Estações Diferentes”, conta a história de quatro jovens de doze anos, o líder do grupo e valente Chris (River Phoenix), o sensato e tranquilo Gordie (Will Wheaton), o doido Teddy (Corey Feldman) e o medroso Vern (Jerry O’Connell) que partem numa aventura à procura de um cadáver de um miúdo que está desaparecido, à beira duma linha de comboio, durante o Verão de 1959. Durante esta longa caminhada, os quatro rapazes partem para uma auto-descoberta, dos seus segredos, medos e experiências.

Esta “foi a primeira boa adaptação de uma das minhas obras”, diz Stehen King, graças ao bom trabalho de adaptação por parte do realizador Rob Reiner e dos argumentistas Raynold Gideon e Bruce A. Evans. É também uma obra pessoal de Stephen King, pelo facto de este ter perdido o seu irmão num acidente de carro e pelo facto de a personagem principal, em velho, ser um escritor famoso.

Uma história simples que aborda temas complexos, como a amizade, a inocência (muito bem exemplificada nesta discussão, “Mickey é um rato, Donald um pato, Pluto é um cão. O que é o Pateta?” ou “o Super-Homem pode vencer o Rato Mickey?”) e a passagem à idade adulta. Este é um filme que poderá emocionar o espectador mais sensível, por nos recordar a infância, o melhor período da vida de uma pessoa. Sem compromissos e deveres, com liberdade, inocência e amigos verdadeiros. Este é um retrato muito realista sobre a amizade, pois só quando somos novos é que existe uma pura amizade, mas quando crescemos essa pureza desvanecesse-se. O final do filme dá-nos uma forte mensagem, que é escrita pela personagem principal em adulto (Richard Dreyfuss), “nunca mais tive amigos como aqueles que tive aos 12 anos. Meu deus, quem é que tem?”.

Ao contrário de muitos filmes sobre adolescência, este atribui a culpa aos adultos, que não sabem dar valor aos seus filhos, não lhes ligam, deixando-os muitas vezes cometerem erros que mudará as suas vidas. Estes quatro rapazes partem numa caminhada que mudará para sempre as suas vidas. São jovens que não são compreendidos pelos adultos (pais, professores), mas que ao se unirem ajudam-se mutuamente a ultrapassar os seus problemas e medos. Juntos ganham confiança num futuro que parecia inserto. É portanto um filme que deve ser visto por miúdos e graúdos, para pensarem um pouco nas suas vidas.

Rob Reiner, ator que ficou famoso por interpretar a personagem “Meathead” (“Cabeça de Abóbora”) em “Uma Família às Direitas”, realizou este conto de uma forma poética, realista e sensível. De forma apaixonante, captou muito bem as belas paisagens do Oregon e as fabulosas interpretações do jovem elenco. Mas é River Phoenix quem se destaca, mostrando o seu valor como um promissor ator, tendo infelizmente morrido aos 23 anos,por ataque cardíaco devido a drogas em 1993. É ainda de referir que a banda sonora, muito bem escolhida, tem a música “Stand By Me” de Benn E. King, como tema principal. Esta música tudo sobre o filme, daí o nome do filme ser o mesmo.

É portanto um filme com fortes mensagens e uma lição de vida. “Conta Comigo” é suave, doce, sentimental e inocente. Uma obra do cinema obrigatória para todos que queiram recordar o passado.

Realização: Rob Reiner

Argumento: Raynold Gideon, Bruce A. Evans

Elenco: River Phoenix, Will Wheaton, Corey Feldman, Jerry O’Connell

EUA/1955 – Drama

Sinopse: Numa pequena localidade do Oregon, um grupo de amigos composto pelo sensível Cordie, o duro Chris, o extravagante Teddy e o medroso Vern procuram o corpo de um adolescente desaparecido. Para se tornarem heróis perante eles próprios e aos olhos da sua localidade, iniciam uma inesquecível viagem de dois dias, que se transforma numa incrível aventura.

Fumam às escondidas, contam histórias e unem-se quando as coisas dão para o torto. Quando se encontram com os marginais da povoação, que armados de navalhas também procuram o corpo, os miúdos descobrem uma força que não sabiam ter. Conta Comigo é um filme original e muito especial, que trata da amizade e da inesquecível experiência que é crescer.

«Conta Comigo» - Um poema sobre a amizade (25º Aniversário)
4.5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos