Destaque da Semana: “Boyhood: Momentos de Uma Vida”

O destaque da semana é “Boyhood: Momentos de Uma Vida”, um drama ficcional sobre a memória e as relações, em que Richard Linklater leva ao limite a abordagem que já explorara na trilogia de culto “Antes do Amanhecer”, “Antes do Anoitecer” e “Antes da Meia-Noite”, também com Ethan Hawke. Quis filmar “o modo como o tempo passa pelas nossas vidas”, enaltecendo os “pequenos momentos que fazem a diferença, em vez dos ‘grandes momentos’ que se vêem sempre nos filmes”, sublinhou aquando da exibição no Festival de Berlim, onde “Boyhood” foi aclamado como uma obra-prima e de onde trouxe o Urso de Prata para Melhor Realizador. “Boyhood: Momentos de Uma Vida” estreia hoje nas salas de cinema nacionais.

São imagens (quase) reais. Foram captadas ao longo de 12 anos, anos esses correspondentes aos da vida de um rapaz. Num dos projectos cinematográficos mais ambiciosos, raros e aguardados de sempre, segue-se em “tempo real” o crescimento de Mason (Ellar Coltrane). Com seis anos no início do filme, é e será um miúdo como tantos outros. Filho de pais divorciados, vive com a mãe (Patricia Arquette) e a irmã mais velha (Lorelei Linklater, filha do realizador, Richard Linklater). O pai (Ethan Hawke), só vê aos fins-de-semana e nas férias. Tem amigos, padrastos, problemas, dilemas, alegrias, escolhas, consequências, responsabilidades, amores, paixões. Cresce. Descobre(-se). Todos os anos, durante uma semana, a equipa de filmagens reencontrava-se com ele e com as personagens da sua vida. Os actores voltavam aos seus papéis, crescendo, envelhecendo e mostrando os sinais do tempo perante a câmara, sem verem o que tinha sido filmado antes. Foram os primeiros a ser surpreendidos com o resultado final, de forma avassaladora. “Boyhood” segue um guião, mas não tem artifícios. Mostra esta vida como ela é.

Sinopse: Cinecartaz Público