O destaque desta semana vai para “Michael”, a primeira obra do austríaco Markus Schleinzer, um filme que, tendo como ponto de partida um crime hediondo, tenta traçar o perfil de um pedófilo e ficcionar a dinâmica existente entre um molestador e a sua vítima. “Michael”, que integrou a secção competitiva em Cannes 2011, estreia hoje nos cinema nacionais.

 

Michael (Michael Fuith) tem 35 anos, um emprego estável como gestor numa agência de seguros e uma vida aparentemente igual a tantas outras. Porém, na intimidade da sua casa ele guarda o mais terrível dos segredos: um “bunker” à prova de som onde mantém prisioneiro Wolfgang (David Rauchenberger), um menino de 10 anos. Para Michael, que quer forçar uma naturalidade onde ela não pode existir, estes momentos são uma escolha; para Wolfgang, pelo contrário, aquela é uma existência de pesadelo.

Sinopse: Cinecartaz Público