O destaque desta semana vai para um dos filmes portugueses mais aguardados do ano, “Linhas de Wellington”, realizado pela chilena Valeria Sarmiento. Este filme começou por ser um projecto pessoal do realizador Raoul Ruiz. Porém, depois da sua morte a 19 de Agosto de 2011, já em fase de pré-produção, foi Valeria Sarmiento, a sua viúva, quem completou o trabalho. Com produção de Paulo Branco e seguindo um argumento de Carlos Saboga, uma co-produção luso-francesa abrilhantada por um grupo de ilustres: John Malkovich, Mathieu Amalric, Isabelle Huppert, Michel Piccoli, Chiara Mastroianni, Nuno Lopes, Soraia Chaves, Carloto Cotta, José Afonso Pimentel, Adriano Luz, Albano Jerónimo, Maria João Bastos, Manuel Wiborg. “As Linhas de Wellington” esteve em competição na 69.ª edição do Festival de Veneza e refere a verdadeira história das Linhas de Torres que tiveram um papel preponderante na retirada das tropas francesas comandadas pelo marechal André Masséna, durante a Terceira Invasão do território. “Linhas de Wellington” estreia hoje nos cinemas portugueses.

 

Setembro de 1810. As tropas de Napoleão Bonaparte invadem Portugal. Com os ingleses como aliados, o Exército português, chefiado pelo general Wellington, desenvolve um plano engenhoso para deter as forças imperiais gaulesas e proteger Lisboa: uma retirada das tropas a fim de atrair o inimigo a Torres Vedras onde, em segredo, tinham sido construídas várias fortificações intransponíveis. Esta operação implicou também a evacuação da população civil, resultando num gigantesco êxodo. E é assim que um enorme grupo de pessoas, soldados e civis, de todos os estratos sociais e idades, seguem caminho rumo a sul. No entanto, se alguns seguem animados por um sentimento patriótico, outros, aproveitam a confusão para roubar e enganar.

Sinopse: Cinecartaz Público