Duas semanas após a polémica da retirada do clássico “E Tudo o Vento Levou” (1939), realizado por Victor Fleming, do catálogo da HBO Max, da WarnerMedia, o filme foi oficialmente reposto na plataforma de streaming de forma intacta, mas com um aviso de que o filme “nega os horrores da escravatura“.

A contextualização do filme é feita com três vídeos extra que falam da escravatura e do tratamento a personagens negras. Um dos vídeos é apresentado por Jacqueline Stewart, que faz uma crítica ampla e específica deste épico, falando sobre o sucesso do filme e da romantização feita ao sul dos Estados Unidos antes da Guerra Civil. “Assistir a ‘E Tudo o Vento Levou’ pode ser desconfortável e até doloroso. Ainda assim, é importante que clássicos de Hollywood estejam disponíveis no seu formato original para se poder assistir e debater sobre ele“.

“‘E Tudo o Vento Levou’, com os seus valores de produção marcantes, cenas e personagens moldaram a maneira como gerações imaginam a escravatura e o período de reconstrução que se seguiu”, acrescenta Stewart. Diz ainda que os espectadores contemporâneos devem assistir ao filme “para refletir sobre as suas próprias crenças (…) Não é apenas um documento importante das práticas racistas de Hollywood no passado, mas também um trabalho duradouro da cultura popular que fala diretamente com as desigualdades raciais que persistem na sociedade de hoje”.

Um segundo vídeo é um painel do TCM Classic Film Festival de 2019, intitulado “O Complicado Legado de ‘E Tudo o Vento Levou'”, moderado pelo autor e historiador Donald Bogle.

Vencedor de oito Óscares e com treze nomeações e protagonizado por Clark Gable, Vivien Leigh, Leslie Howard, Olivia de Havilland e Hattie McDaniel, o filme acompanha um romance turbulento durante a Guerra Civil Americana, fazendo um retrato sobre os privilégios de uma classe aristocrática e sobre a escravatura. A atriz Hattie McDaniel venceu o Óscar de Melhor Atriz Secundária, tornando-se na primeira mulher afro-americana a conquistar o prémio. O filme é conhecido também pela famosa banda sonora composta por Max Steiner.

“E Tudo o Vento Levou” foi retirado temporariamente da plataforma após os protestos sobre George Floyd nos EUA, que se alastraram um pouco por toda a Europa, tendo o filme recebido muitas críticas pelo conteúdo racista. No entanto, a HBO Max disse mais tarde que o filme seria reposto, acompanhado por uma discussão sobre o seu contexto histórico e com uma denúncia das suas representações racistas.