Elia Kazan faria hoje 101 anos

Elia Kazan nasceu a 7 de Setembro de 1909 em Constantinopla. Foi um bem sucedido cineasta greco-americano que começou por trabalhar no teatro, na Broadway, na década de 40. Kazan, que foi membro do Partido Comunista dos Estados Unidos nos anos 30, foi pressionado para denunciar vários dos seus colegas do partido que, ao longo dessa década, não arranjaram emprego na sua área. Denunciou ao Comité de Investigações de Actividades Anti-Americanas, que foi criado em 1952, numa altura em que a histeria anti-comunista assolava a sociedade e o governo dos Estados Unidos, era o inicio da Guerra Fria. Foi considerado o período mais negro da história política americana, o Macartismo ou como era chamado, o período da “Caça às Bruxas”. Joseph McCarthy foi o homem responsável por tudo isto, este acusou: Charles Chaplin, Leonard Bernstein, Orson Welles e muitas outras pessoas ligadas à cultura. Sobre o testemunho de Kazan no Comité, Orson Welles teria dito: “Kazan trocou a alma por uma piscina”. Os defensores de Kazan consideram um absurdo dizer que ele foi responsável por ter destruído carreiras, pois os nomes que ele denunciou já faziam parte na lista do Comité.

 

O cineasta Kazan ficou conhecido na sétima arte com os filmes: “Um Eléctrico Chamado Desejo” (1951), “Há Lodo no Cais” (1954), “A Leste do Paraíso” (1955) e “Um Rosto na Multidão” (1957). Trabalhou com os actores, James Dean, Marlon Brando, Warren Beatty e Natalie Wood.

 

Vencedor de dois Óscares de Melhor Realizador (1947 e 1954), recebeu vários prémios em Cannes, Veneza e Berlim. Faleceu em Nova Iorque a 28 de setembro de 2003.