Estreias da Semana (19-Junho-2014)

“A Culpa é das Estrelas”

de Josh Boone

EUA – Drama – 2014

Sinopse: A história conta-nos como Hazel e Augustus Waters se apaixonam quando se conhecem num grupo de apoio e a maneira extraordinária como ambos encaram o pouco tempo que têm para aproveitar a vida. As vidas de Hazel e Augustus vão sofrer uma inesperada e incrível reviravolta como nunca tinham sonhado, quando juntos vivem uma pequena eternidade recheada de amor, coragem e esperança, capaz de tocar qualquer um. Inspirado no romance best-seller do premiado John Green o filme explora uma contagiante e divertida aventura de dois adolescentes em fase terminal.

“Aqui Vem o Diabo”

de Adrián García Bogliano

México – Terror – 2012

Sinopse: Para um casal que luta constantemente para manter um casamento frágil, a realidade do desaparecimento dos seus dois filhos não podia ser mais assustadora. Quando finalmente as crianças são encontradas, a alegria momentânea rapidamente se transforma em medo quando a mãe começa a notar diferenças no comportamento dos filhos, temendo que algo diabólico tenha consigo entrar nos corpos da filha e do filho. Um show-de-horrores preciso e intricadamente encenado, AQUI VEM O DIABO segue as pisadas de alguns clássicos do género como The Exorcist , Don’t Look Now , e Rosemary’s Baby, e mistura habilmente drama pesado e os medos do inesperado na paternidade com os horrores sombrios do sobrenatural. AQUI VEM O DIABO (do original Ahí Va El Diablo) é um filme do já aclamado realizador e argumentista Adrián García Bogliano ( Penumbra; Cold Sweat) o mais recente mestre do horror da América do Sul.

“Golpe de Amor”

de Joel Hopkins

França – Comédia – 2013

Sinopse: Richard Jones é um homem de meia idade, divorciado e finalmente reformado, que chega ao escritório da sua empresa no último dia de trabalho, ansioso para começar uma vida livre de preocupações. Mas o pânico instala-se quando descobre que a compra da empresa foi fraudulenta. A empresa está agora falida e o fundo de pensão dos seus funcionários – incluindo o dele próprio – foi roubado. Com a ajuda da sua ex-mulher Kate, Richard decide perseguir Vincent Kruger, o obscuro homem de negócios por trás desta falcatrua. Mas para conseguirem isso, Richard e Kate vêm-se envolvidos numa perseguição de gato e rato por toda a Europa, num turbilhão de intrigas, perseguições loucas e roubo de joias.

“O Homem Duplicado”

de Denis Villeneuve

EUA – Drama/Thriller – 2013

Sinopse: Adam é um instável professor universitário que vive refém de uma monótona rotina diária. Uma  noite, enquanto vê um filme, descobre a existência de um ator exatamente igual a si. Obcecado por conhecer o seu  sósia, parte à descoberta desse outro homem  forçando um encontro com consequências imprevisíveis não só para eles mas também para as suas companheiras:  Mary e Helen.

“Tom na Quinta”

de Xavier Dolan

França – Drama – 2013

Sinopse: A história de um homem, Tom, que vai até ao campo para o funeral do companheiro, morto num acidente de automóvel. Ao chegar, dá conta que ninguém o espera ou sequer desconfia daquela relação e da orientação sexual de Guillaume, o amante morto, e que por isso o acolhem tão bem. Mas se a simpatia da mãe advém da sua ignorância, que faz de Tom apenas um amigo, o irmão de Guillaume, machista e homofóbico, começa a questionar a sua presença, tornando-se uma ameaça e criando uma tensão que a banda sonora de Gabriel Yared (que compôs para filmes como Betty Blue e The English Patient) acentua de forma brilhante.

“Yves Saint Laurent”

de Jalil Lespert

França – Drama – 2014

Sinopse: Paris, 1957. Com apenas 21 anos, Yves Saint-Laurent é nomeado para dirigir o futuro da prestigiada grife de alta-costura fundada por Christian Dior – falecido recentemente. Depois de seu primeiro desfile triunfal, ele conhece Pierre Bergé e este encontro irá mudar a sua vida. Amantes e parceiros de negócios, os dois associam-se para criar a grife Yves Saint Laurent. Apesar das suas obsessões e demônios interiores, Saint Laurent vai revolucionar o mundo da moda com sua abordagem moderna e iconoclasta.