Festival de Veneza 2021: Bong Joon Ho declara que covid-19 não destruirá o cinema

Last updated:

A COVID-19 não pode matar os filmes. Esta foi a mensagem do presidente do júri do Festival de Cinema de Veneza, Bong Joon Ho, numa conferência de imprensa, durante a manhã desta quarta-feira, dia 01 de setembro, da em que se dão início às 78ª festividades anuais de La Biennale. O realizador, vencedor do Oscar de Melhor Filme com “Parasitas” (2019), reconheceu que a pandemia prejudicou os cineastas ao fechar cinemas por todo o mundo. Mas, olhando para trás, parece que foi um teste e mostrou a força vital do cinema, disse Bong. Ele acrescentou: “Como cineasta, não acredito que a história do cinema pudesse ser interrompida tão facilmente. Então, a COVID vai passar e o cinema vai continuar.

Bong compareceu na conferência de imprensa no Palazzo Del Casino ao lado de outros jurados, incluindo Cynthia Erivo e Chloe Zhao. A realizadora de “Nomadland” (2020) esteve em Veneza, no ano passado, como a primeira paragem na longa jornada para ganhar os Óscares de melhor filme e melhor realizador.

Na verdade, Veneza parece estar de volta este ano – com os protocolos COVID-19 em vigor. As triagens terão metade da capacidade, todos os convidados deverão apresentar certificado de vacinação para eventos internos e as máscaras serão obrigatórias.

Bong admitiu que não tinha uma metodologia definida para avaliar o filme deste ano. Não sinto que deva haver algum tipo de critério, disse Bong. “Para escolher um filme bonito, é preciso respeitar o gosto de todos. Tudo isso pode ser diferente.  Bong afirmou, ainda, que esperava um debate animado entre os jurados. Estamos prontos para lutar até talvez o último dia.

Grande parte do diálogo no primeiro dia de Veneza concentrou-se no futuro dos filmes – e quais os papéis que os serviços de streaming desempenharão na produção, financiamento e divulgação de filmes. O diretor artístico do Festival de Cinema de Veneza, Alberto Barbera, reconheceu que a decisão do Festival de Cinema de Cannes de não exibir filmes da Netflix em competição foi um presente para Veneza. A Biennale deste ano vai ter estreias de dois autores – Jane Campion (“The Power of the Dog“) e Paolo Sorrentino (“The Hand of God“) – que podem ter exibido os seus projectos mais recentes no início do verão, em Cannes, mas seus filmes não foram produzidos pela Netflix. Não podemos pedir à Netflix que produza um filme comercialmente e esperar 20 meses para exibi-lo na plataforma, disse Barbera, referindo-se a uma regulamentação francesa que exige que todos os filmes em Cannes tenham distribuição exclusiva em cinemas. Veneza, por outro lado, não segue essas regras. Portanto, foi um processo bastante natural, que levou Paolo Sorrentino e Jane Campion a virem para Veneza, afirmou Barbera. E, claro, isso é uma grande satisfação para nós.”

Quanto ao filme de abertura deste ano, “Madres Paralelas” (2021), de Pedro Almodóvar, Barbera revelou que passou anos a cortejar o realizador espanhol, na esperança que dele trazer um novo filme a Veneza. Mas, como os protocolos do COVID-19 atrasaram a produção do filme independente, Barbero voou até Madrid, em meados de Julho, para assistir a uma rápida filmagem, do último filme a ser exibido no processo de seleção deste ano. Considero Pedro Almodóvar um dos melhores diretores do cinema contemporâneo, disse Barbera.

Skip to content