A 7ª edição dos Jardins Efémeros, o maior evento cultural de Viseu e um dos maiores do país, decorre de 7 a 16 de julho, este ano subordinada ao tema “O Paradoxo”. Um tema que remete “para uma ideia ou para uma acção que se revela – efectiva ou aparentemente – contraditória a outra”. Este conceito estende-se a “desejos antagónicos, a caminhos opostos, a decisões inversas, a pensamentos dissonantes (…)”.

Este é um evento multidisciplinar que abrange as seguintes áreas: Som, Artes Visuais, Oficinas, Arquitectura, Cinema, Conferências, Mercados, Teatro e Dança. São dez dias de arte e cultura, com instalações, performances, espetáculos, exposições, animação e muito mais, que permite a revitalização do centro histórico da cidade. Durante dez dias “Viseu é a cidade que mostra a Portugal o que de bom e diferente existe na produção cultural no Mundo”.

Este ano o programa de cinema centra-se nos clássicos, desde os clássicos de Hollywood “Vontade Indómita” (1949) de King Vidor e o film noir “A Sede do Mal” (1958) de Orson Welles, à fantasia sumptuosa de “As Asas do Desejo” (1987) do alemão Wim Wenders. Será também exibido um filme da guerra fria, “Soy Cuba” (1964) do soviético Mikhail Kalatozov, sobre a queda do regime de Fulgencio Batista e a revolução comunista. Um programa forte a não perder, ao ar livre, na Praça D.Duarte.

Na abertura deste programa será exibido “The way things go” (1987), de Peter FischliDavid Weiss, uma instalação artística num armazém, composta por diversos objectos meticulosamente colocados com o objectivo de desencadear sucessivas reacções, algumas inusitadas. O filme será musicado ao vivo, na Praça D.Duarte.

Haverá ainda uma extensão em Viseu do Festival Política, com a exibição de dois filmes “Os Negócios de Bruxelas” (2012) de Matthieu Lietaert e Friedrich Moser“Ressurgentes” (2015) da brasileira Dácia Ibiapina. Este último acompanha “os movimentos sociais de Brasília entre 2005 e 2013: Movimento Passe Livre (por um transporte gratuito e de qualidade), Fora Arruda e Máfia (contra o governador José Arruda) e Santuário Não se Move (contra a criação de um bairro em território indígena).”

O programa geral dos Jardins Efémeros ainda não está completo, mas já se confirmaram as presenças de MurcofVanessa Wagner, Bruno Pernadas, Evan Parker, Pop Dell’Arte + Tiago Pereira, Sarah Davachi, SOS Gunver Ryberg, entre outros, no campo da música.

Programa de Cinema
7 Julho / 23h30 / Museu Nacional Grão Vasco
The way things go, de Peter Fischli e David Weiss, 1987, 30’

9 Julho / 22h00 / Praça D. Duarte 
Soy Cuba, de Mikhail Kalatozov, 1964, 141’

10 Julho / 22h00 / Praça D. Duarte
Touch of Evil (A Sede do Mal), de Orson Welles, 1958, 95’

11 Julho / 22h00 / Praça D. Duarte 
The Fountainhead (Vontade Indómita), de King Vidor, 1949, 114’

16  Julho / 22h00 / Praça D. Duarte
Der Himmel über Berlin (As Asas do Desejo), de Wim Wenders, 1987, 127’

 

Extensão Festival Política
8  Julho / 22h00 / Praça D. Duarte
Os Negócios de Bruxelas, de Matthieu Lietaert e Friedrich Moser, 2012, 58’

15  Julho / 21h45 / Praça D. Duarte
Ressurgentes, de Dácia Ibiapina (Brasil, 2015, 75’)