Jean-Luc Godard: o último expoente da Nouvelle vague

O cineasta franco-suíço Jean-Luc Godard, um dos fundadores e percursores da Nouvelle vague, morreu “pacificamente” na terça-feira (13/09) em sua casa na pequena cidade de Rolle, informou sua família em comunicado. Ele tinha 91 anos.

Reprodução / Variety

“O cineasta Jean-Luc Godard morreu em 13 de setembro de 2022, anuncia sua esposa Anne-Marie Miéville e seus produtores. Não haverá cerimônia oficial. Jean-Luc Godard morreu pacificamente em sua casa cercado por seus entes queridos. Ele será cremado”, de acordo com um breve comunicado de imprensa enviado à “AFP” pelo consultor jurídico e tributário da família, Patrick Jeanneret.

Questionado pela AFP”, Jeanneret explicou que o anúncio deveria ter sido feito em “dois dias” e que o comunicado de imprensa devia ter sido escrito às pressas, na sequência da fuga à pressa sobre a morte de Jean-Luc Godard. A cremação ocorrerá “dentro de dois dias, talvez amanhã novamente”, acrescentou, especificando que “as cinzas ficarão com sua esposa”. A cremação “deve realmente ocorrer em privacidade”, insistiu.

 

Suicídio assistido

De acordo com “Liberation”, o cineasta havia mencionado, há vários anos, a ideia de recorrer ao suicídio assistido. Em 2014, ele disse que “não tinha vontade de ser arrastado em um carrinho de mão” se estivesse muito doente. Mas, há oito anos, esta escolha ainda lhe parecia “muito difícil”.

Segundo o diário francês, Jean-Luc Godard teria arriscado. “Ele não estava doente, estava apenas exausto”, disse um parente. “Então ele tomou a decisão de acabar com isso. Foi sua decisão e era importante para ele que ela fosse conhecida. Outro amigo próximo de Jean-Luc Godard teria confirmado esta informação ao “Liberation”.

 

Carreira

Como destaca o portal “G1”, Godard iniciou sua carreira como crítico de cinema. Depois, passou a fazer filmes e documentários experimentais. O franco-suíço rodou cerca de 125 filmes, longas e curtas, ficção e documentário, que tiveram uma recepção mista, entre os que o amavam e os que o odiavam.

Podemos citar, entre seus principais longas-metragens, “Acossado” (1960), “O desprezo” (1963) – estrelado por Brigitte Bardot -,  “Viver a Vida” (1962), “Alphaville” e “O Demônio das Onze Horas”, ambos de 1965, “Week-End à Francesa” (1967), “Carmen” (1983), “Eu Vos Saúdo Maria” (1985) e “Adeus à Linguagem” (2014).

 

Prémios

Em 2014, Godard ganhou o prémio do júri do Festival de Cannes por “Adeus à Linguagem”Em 2018, concorreu pela Palma de Ouro em Cannes com “Imagem e Palavra”, uma reflexão sobre o cinema e o mundo.

Reprodução / O Globo

Além de um número considerável de Ursos em Berlim e Leões em Veneza, ele recebeu homenagens pelo conjunto de sua obra em premiações como o César, o Oscar e em Cannes.

O cinema de Godard

Para Eric Kohn, do “IndieWire”, a mística de celebridade de Godard foi definida pela imagem do enigmático autor fumante inveterado, adornado com óculos escuros enquanto se entregava a uma visão existencial, política revolucionária e ideias radicais sobre arte. Mas sua carreira nunca se apoiou nessa marca caricatural.

Reprodução / Sky News

Kohn avalia que seu legado é tão complexo e inclassificável quanto qualquer um de seus créditos. Poucos diretores na história do cinema exerceram uma influência tão vasta no estado do cinema, e seus impulsos experimentais só se tornaram mais audaciosos e estranhos com o tempo. Mesmo as obras mais “convencionais” de Godard lutaram com as limitações do cinema narrativo, ao mesmo tempo em que confrontavam uma sociedade disfuncional em guerra.

Por fim, Kohn pontua que Godard solidificou seu significado histórico décadas atrás, mas sua carreira durou mais da metade do tempo dos próprios filmes, e ele sempre parecia estar alguns passos à frente de sua evolução. Seu legado é melhor resumido em uma fala falada por ninguém menos que Jean-Pierre Melville, em “Breathless”, interpretando um diretor famoso que é questionado sobre sua maior ambição na vida. “Tornar-se imortal”, diz ele, “e depois morrer”.

 

Skip to content