“L’Illusionniste” (“O Mágico”) é o novo filme de animação do conceituado realizador francês Sylvain Chomet, que ganhou fama e prestigio com “Les triplettes de Belleville” (2003). “O Mágico” é uma homenagem às antigas formas de entretenimento, os ilusionistas, os ventríloquos, trapezistas e palhaços, mas é mais do que isso, é uma homenagem ao cinema mudo e ao mestre Jacques Tati.

Baseado num argumento originalmente escrito por Tati, em 1956, em dedicação a uma filha ilegítima que teve e que nunca chegou a ser realizado. Sylvain Chomet adapta esta história para a animação, pois de outra maneira não seria possível realizar este argumento. A história é passada na década de 50 numa altura em que a cultura pop começa a substituir as outras formas de entretenimento. Tatischeff (nome de nascença de Tati) é um ilusionista que percorre o mundo realizando espetáculos de magia em várias salas de teatro e Music Halls. A sua carreira está em vias de extinção, pois o mundo está em constante evolução e o público esquece-se desta arte, que é a magia. Tatischeff vê-se obrigado a apresentar o seu espetáculo num “pub”, na costa ocidental escocesa. Aí conhece Alice, uma jovem rapariga muito inocente, que fica imediatamente encantada com o mágico. A rapariga segue-o e passa a viver com ele como se fosse sua filha. A partir daqui, a vida de Tatischeff mudará para sempre.

A personagem Alice é de uma rapariga inocente que acredita na magia de Tatischeff. Ingenuamente, Alice pensa que pode ter tudo na vida com um simples truque de magia. Mas, infelizmente não é assim e ela acaba por perceber isso. Um palhaço abatido prestes a suicidar-se, um ventríloquo que vende o seu boneco e um trio de trapezistas que se “vendem” ao mundo da publicidade, são a imagem de um mundo em mudança que representam as velhas artes caídas no esquecimento.

A narrativa parece muito simples, mas pelo contrário é bastante complexa. É uma história com muitas características biográficas de Tati, o que faz com que este esteja sempre presente em todo o filme, em espírito, claro está. A própria personagem do ilusionista é a figura de Tati, a maneira como anda, como reage aos imprevistos, todos os tiques de Tati estão lá. E para que não restem dúvidas, o realizador Chomet oferece-nos uma bela surpresa, com a cena em que o ilusionista entra num cinema e depara-se com um filme de imagem real, protagonizado pelo próprio Tati (o filme “O Meu Tio”). O público sai da sala com a sensação de ter visto um novo filme de Jacques Tati, porque de facto, durante os oitenta minutos de duração do filme, Tati esteve sempre presente. E não é por acaso que foi Chomet a realizar este argumento, pois Chomet é um descendente de Tati, como se viu no primeiro filme “Les triplettes de Belleville”. O estilo de Chomet é um estilo muito pausado, com diálogos quase inexistentes, dando valor ás imagens e à ação, com muita mímica. Como se pode ver, quem conhece os filmes de Jacques Tati, sabe que tem o mesmo estilo de um cinema mudo.

“O Mágico” é um filme que impressiona e fascina pelo seu visual. O desenho de Chomet é magnifico, com um traço clássico do desenho á mão. A nível técnico, Chomet, conseguiu misturar muito bem o digital com o desenho à mão. Todo o brilho, as cores e as belas paisagens, remetem-nos para aquela época. A banda sonora composta por Chomet é belíssima.

Chomet criou um filme mágico e dramático. É um filme que nos faz rir e chorar, com um final surpreendente. “O Mágico” é a prova de que o cinema de animação tradicional ainda está vivo e que não precisa do 3D para nada. Um dos melhores filmes do ano e um dos melhores filmes de animação de sempre. Um filme genial, adulto, subtil e belíssimo!

Realização: Sylvain Chomet

Argumento: Sylvain Chomet

Elenco:

França/2011 – Animação

Sinopse: Quando a arte do ilusionismo dava os últimos passos, um mágico “entertainer”, afastado dos palcos da cidade, vê-se obrigado a apresentar o seu “show” num dos “pubs” da costa ocidental escocesa, onde encontra Alice, uma jovem inocente, que mudará para sempre a sua vida… “O Mágico” é uma comovente carta de amor de um pai para a sua filha.

«O Mágico» - Chama-se Tati!
5.0Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos