«Mistérios de Lisboa» – Um Fresco Camiliano

Raoul Ruíz possui uma obra cinematográfica muita extensa e complexa, com mais de cem filmes. Nascido no Chile, em 1941, Ruiz trabalhou em diversos formatos (35mm, 16mm e vídeo), tendo alternado entre o documentário e a ficção, a curta e a longa-metragem, o cinema e as séries televisivas. Ruiz é um cineasta conhecido por escolher temas complexos, com narrativas de difícil compreensão, recusando a estrutura clássica narrativa, ou seja, não existe primeiro, segundo e terceiro actos. Depois do golpe militar no Chile de 11 de Setembro de1973, Raoul exilou-se em França, em 1974, onde continuou a fazer filmes. A ligação a Portugal começou nos anos oitenta, com “O Território” (1981)produzido por Paulo Branco. Utilizou cenários portugueses para “Treasure Island” (1985), uma adaptação de Stevenson. Realizou ainda, “A Cidade dos Piratas” (1983) e “Três Vidas e uma Só Morte” (1996), entre outros, em Portugal.

“Mistérios de Lisboa” é a mais recente obra de Raoul Ruiz, produzida por Paulo Branco, com co-produção da Clap Filmes e da RTP. Baseada na obra de Camilo Castelo Branco, “Mistérios de Lisboa” mergulha-nos num turbilhão imparável de aventuras e desventuras, coincidências e revelações, sentimentos e paixões violentos, vinganças, amores desgraçados e ilegítimos, numa agitada viagem por Portugal, França, Itália e Brasil. Nesta Lisboa de intrigas e identidades ocultas, encontramos uma série de figuras que dominam o destino de Pedro da Silva, órfão, num colégio interno, e que atravessam a história do séc. XIX: o padre Dinis que, de aristocrata e libertino, se converte em justiceiro; uma condessa, roída pelo ciúme e sedenta de vingança e um pirata sanguinário, tornado próspero homem de negócios.

“Mistérios de Lisboa” é, assim, um romance histórico com características do ultra-romantismo, com cerca de seiscentas páginas que foi adaptado por Carlos Saboga, para um argumento de quatro horas e vinte e seis minutos (existe ainda uma versão mais longa, destinada a ser exibida na RTP, em 2011, em seis episódios, de uma hora cada). Apesar da sua longa duração, bastante invulgar nos dias de hoje, que certamente irá assustar muitos espectadores, o filme consegue agarrar o público do princípio ao fim. O filme flui lentamente, de intriga em intriga, de narrador em narrador. Com frequentes flash-backs acompanhamos os vários mistérios, que apesar de muitas vezes se diferenciarem muito, estão todos ligados. Neste contexto de duelos, assassinatos, guerras, emboscadas e traições percorremos vários espaços (Portugal, França, Itália e Brasil). O filme prima pelo seu rigor técnico, com belíssimos movimentos de câmara, com frequente uso do plano-sequência que cria o enquadramento perfeito; a fotografia, da autoria de André Szankowski, é um fresco “vivo”, com tons sinistros que por vezes lembram quadros de Rembrandt; a subtileza da banda sonora, deJorge Arriagada e de Luís Freitas Branco, realça a beleza do filme. Atrevo-me mesmo afirmar que o filme é “perfeito”, magistral! Todo este rigor técnico, lembra Stanley Kubrick, mais especificamente a sua obra de época,“Barry Lyndon”. Penso que se Kubrick ainda fosse vivo, teria gostado bastante desta obra camiliana.

O elenco de luxo, todo ele proveniente das telenovelas nacionais, contou, entre outros, com Adriano Luiz , Maria João Bastos, Ricardo Pereira, Albano Jerónimo e Afonso Pimentel e com estrelas internacionais, como Léa Seydoux eMelvil Poupaud. Todos eles têm excelentes interpretações.

Esta corajosa megaprodução nacional, nunca vista antes num filme português, tem estado “nas bocas do mundo”. Tem recebido rasgados elogios de toda a parte, em todos os festivais de cinema por onde tem passado (Toronto, São Paulo, Londres, Nova Iorque), tendo recebido a Concha de Prata – Melhor Realizador no Festival de San Sebastián. “Mistérios de Lisboa” é um belo fresco cinematográfico que retrata o fim de uma época, de uma sociedade em ruptura e da passagem da monarquia à república. Ruiz, nesta obra, eleva o cinema ao seu máximo!

Realização: Raúl Ruiz

Argumento: Carlos Saboga

Elenco: Adriano Luiz , Maria João Bastos, Ricardo Pereira, Albano Jerónimo, Afonso Pimentel

Portugal/2010 – Drama

Sinopse: Uma condessa roída pelo ciúme e sedenta de vingança: um aristocrata libertino que se torna padre justiceiro transformando-o ora em cigano, ora em poeta romântico; um pirata sanguinário tornado próspero homem de negócios; uma vendedora de bacalhau que mata o amante e vende os encantos da própria filha, antes de se tornar santa, atravessam a história do séc. XIX e a procura de identidade do nosso personagem. Uma história repleta de paixões, duelos, perigos mortais e negócios tenebrosos numa atribulada viagem por Portugal, França, Itália e Brasil.

Classificação dos Leitores0 Votes
5