Morreu Eleanor Coppola, realizadora e esposa de Francis Ford Coppola

Eleanor foi essencial na documentação dos bastidores de obras icónicas de seu marido
e54ca903 754d 49ee b875 ad95911c9851 1 e54ca903 754d 49ee b875 ad95911c9851 2
Via: Getty

A realizadora, escritora e documentarista Eleanor Coppola, esposa do aclamado realizador norte-americano Francis Ford Coppola, faleceu nesta sexta-feira (12) aos 87 anos.

Ela faleceu em sua residência em Rutherford, Califórnia, cercada pela família, conforme anunciado em um comunicado pela família. A causa da morte não foi divulgada.

Eleanor se destacou por seu papel fundamental na documentação dos bastidores de obras marcantes de seu marido, como a turbulenta produção de “Apocalypse Now”.

Mais do que isso, ela foi a matriarca da família Coppola, um núcleo de talentosos realizadores que inclui seus filhos Sofia, Roman e Gian-Carlo (falecido em 1986).

Sua marca

Embora conhecida principalmente por seu trabalho como documentarista, Eleanor também atuou como diretora de fotografia e guionista.

Seu documentário “Hearts of Darkness: A Filmmaker’s Apocalypse” (1991), que acompanha as filmagens de “Apocalypse Now”, aclamado pela crítica, rendeu-lhe um prémio Emmy.

Além de seu trabalho cinematográfico, Eleanor também era uma ávida fotógrafa e escritora, tendo publicado diversos livros, incluindo coleções de fotos e memórias.

Francis e Eleanor

Nascida e criada em Orange County, Califórnia, Eleanor Coppola, desde cedo, demonstrou um interesse pelas artes. Seguindo essa paixão, ela se matriculou na UCLA para estudar design. Foi durante esse período que o destino a uniu a Francis Ford Coppola, um jovem realizador em ascensão.

O encontro dos dois se deu em 1962, quando ela trabalhou como assistente de direção de arte no primeiro filme realizado por Francis, o suspense de terror “Demência 13”, produzido por Roger Corman.

A conexão foi instantânea e logo se transformou em um relacionamento amoroso. Poucos meses após o início do namoro, Eleanor engravidou e, em fevereiro de 1963, o casal se casou em Las Vegas, oficializando sua união.

Os filhos

Com a chegada do primogênito, Gian-Carlo, em 1963, a família Coppola cresceu, e os sets de filmagem se tornaram uma segunda casa para as crianças.

Gian-Carlo, assim como seus irmãos mais novos, Roman (nascido em 1965) e Sofia (nascida em 1971), frequentavam as produções realizadas pelo pai, absorvendo desde cedo a magia do cinema.

Essa experiência familiar profundamente ligada ao cinema influenciou significativamente o futuro de cada um deles, orientando-os para bem-sucedidas carreiras na sétima arte.

Em relação a isso, ela declarou o seguinte à Associated Press em 2017:

“Não sei o que a família deu, exceto que espero que eles tenham dado um exemplo de família que incentiva uns aos outros em seu processo criativo, seja ele qual for. Acontece em nossa família que todos optaram por seguir nos negócios da família. Não estávamos pedindo ou esperando que o fizessem, mas eles fizeram”.

Escritora

Além de documentar “Apocalypse Now”, Eleanor publicou “Notes: On the Making of ‘Apocalypse Now’” em 1979. Enquanto o filme abordava os desafios do set de filmagem, o livro revelava as turbulências emocionais de Eleanor, incluindo os desafios de ser casada com um cineasta como Francis Ford Coppola.

Estreia na comédia romântica

Em 2016, aos 80 anos, Eleanor estreou como realizadora de ficção em “Paris Can Wait”, uma comédia romântica estrelada por Diane Lane e Alec Baldwin.

Em 2020, ela lançou “Love Is Love Is Love”.

Inicialmente, Eleanor planejava apenas escrever o argumento de “Paris Can Wait”.

A perda

Eleanor faleceu enquanto Francis prepara-se para apresentar ao mundo seu épico, “Megalopolis”, financiado e planejado por ele há muito tempo. O filme está programado para estrear no próximo mês no Festival de Cinema de Cannes.

Eleanor completou recentemente seu terceiro livro de memórias, disse a família.

No manuscrito, ela escreveu: “Aprecio como minha vida inesperada me esticou e me puxou de tantas maneiras extraordinárias e me levou em uma infinidade de direções além da minha imaginação mais louca.”

Skip to content