Bernadette Lafont

Faleceu no dia 25 de julho um nome sonante do cinema francês, a atriz francesa Bernadette Lafont, um símbolo da Nouvelle Vague, aos 74 anos. A atriz foi internada a 22 de julho com uma crise cardíaca tendo falecido ontem depois de ter sofrido um mal-estar.

 

A sua primeira participação no cinema foi numa curta-metragem de François Truffaut, em “Os Putos” (1957), mas foi com Claude Chabrol que se afirmou no cinema, em filmes como “Um Vinho Difícil” (1958), “Pedido de Divórcio” (1959) e “As Boas Mulheres” (1960). Ainda com Truffaut entrou em “Uma Bela Rapariga” (1972) e em 1973 em “A Mãe e a Puta”, de Jean Eustache, filme pelo qual é ainda hoje conhecida. Na última década destacou-se pelas participações no filme “Une vie de chat” (2010), O Verão do Skylab” (2011) eNome de Código: Paulette” (2012). A sua última participação foi no novo filme de Sylvain Chomet, “Attila Marcel” (que se estreia no cinema de imagem real, depois de “O Mágico”), estando em fase de pós-produção.

 

Nascida em 26 de outubro de 1938, Bernadette Lafont queria ser bailarina, mas depressa vingou no mundo do cinema como atriz, nas décadas de 50 e 60. Na sua carreira ficaram mais de 120 participações em filmes.

Em baixo segue a abertura do primeiro filme de Truffaut, “Os Putos” (1957), que foi também a primeira participação no cinema de Bernadette Lafont.