Morreu o cineasta Abbas Kiarostami

Morreu esta segunda-feira, aos 76 anos, o cineasta iraniano Abbas Kiarostami, o mais premiado dos cineastas iranianos, que estava a ser tratado de um cancro do intestino, em Paris.

O cineasta deixa-nos uma obra imensa que irá perdurar para sempre. Kiarostami criou uma das cinematografias mais interessantes da atualidade e foi um dos realizadores iranianos mais conhecidos de sempre.

Foi em 1997, com “O Sabor da Cereja”, que recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes, dividida com o japonês Shohei Imamura, por “A Enguia”. Em 1999 venceu o Grande Prémio do Júri e o prémio FIPRESCI pelo filme “O Vento Levar-nos-á”.

Com mais de 40 filmes na sua filmografia, entre curtas e longas-metragens, o seu trabalho alternou sempre entre a ficção e o documentário, ou misturavam-se de forma poética. Destacam-se filmes como “Onde Fica a Casa do Meu Amigo?” (1987), “Close-Up” (1990), “Dez” (2002), “Shirin” (2008) e “Cópia Certificada” (2010).

Kiarostami foi um dos realizadores convidados, por ocasião dos 60 anos do Festival de Cannes, a realizar uma curta-metragem,”Where is my Romeo?”, para o filme “Cada Um o Seu Cinema”.

O último trabalho do iraniao,“Like Someone in Love” (2012), realizado no Japão, retratava a relação inesperada entre uma jovem prostituta e um velho senhor durante 24 horas.

Homayoun Ershadi, Juliette Binoche, William Shimell, Jean-Claude Carrière, Rin Takanashi, Tadashi OkunoBabek Ahmed Poor, foram alguns dos atores que trabalharam com o cineasta iraniano.

“Mesmo na total escuridão a poesia está ali, e está ali para ti.” – Abbas Kiarostami