Morreu esta sexta-feira (15 de setembro) o ator Harry Dean Stanton, com uma das carreiras mais prolíferas, conhecido pelos seus papéis em “Paris, Texas” (1984), “Twin Peaks: Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer” (1992) e “Alien – O 8.º Passageiro” (1979). O ator morreu de causas naturais em Los Angeles, aos 91 anos.

Nascido em 1926, o ator norte-americano integrou mais de 100 filmes e mais de 50 produções televisivas, numa carreira com mais de 60 anos. O seu primeiro papel no cinema foi em “Tomahawk Trail” (1957), mas só na década de 1960 é que consegue papéis mais importantes e a sua carreira começa a subir, tendo participado em filmes como “O Presidiário” (1967), “Heróis por Conta Própria” (1970), “Dillinger” (1973), “O Padrinho: Parte II” (1974), e “Alien – O 8.º Passageiro” (1979), “Nova Iorque 1997” (1981), “Um Coração Selvagem” (1990) e “Twin Peaks: Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer” (1992). Este último realizado por David Lynch, realizador que tinha grande admiração por Harry Dean Stanton. Trabalhou também com vários realizadores conceituados como Francis Ford Coppola, Martin Scorsese, Sam Peckinpah, Robert Altman e John Carpenter.

Mas foi com “Paris, Texas” (1984), realizado pelo alemão Wim Wenders, que Harry Dean se projectou mundialmente com aquele que foi talvez o seu melhor desempenho de sempre, com uma personagem magra e barbuda que vagueia pelo deserto do Texas, num filme melancólico sobre a América urbana e rural.