O crítico e ativista espanhol José María Riba faleceu no passado sábado (2 de maio), vítima de cancro agravado pela COVID-19, aos 68 anos.

Riba destacou-se como uma das mentes da Cannes Critics’ Week e a grande força por detrás do Festival de Cinema de San Sebastián, exercendo um papel fundamental na difusão do cinema de língua espanhola pelo mundo, ao mostrar o potencial do mesmo no mercado, em festivais e através das audiências. 

Fundou o Espagnolas en Paris, um grupo de profissionais ligados pelo cinema que divulga o cinema espanhol em França com o festival de cinema Différent!, e distinguiu-se na sua longa carreira de crítico de cinema, jornalista, ativista pela arte, como também pelo seu vasto conhecimento da sétima arte e demonstrou ser um apoio crucial para muitos profissionais no início de carreira.

Gael García Bernal foi uma das vozes que lamentou a morte de Riba, afirmando que “era daquelas pessoas de quem ia procurar aprovação após cada filme. E para rir bastante, independentemente se as coisas saíram bem ou mal”. O realizador Manuel Martín Cuenca também se pronunciou acerca da partida do amigo, realçando o seu conhecimento, bondade e altruísmo, afirmando que o cinema espanhol deve muito ao homem que foi José María Riba.