Morreu o documentarista Eduardo Coutinho

Eduardo Coutinho

Considerado um dos maiores documentaristas de sempre, o realizador brasileiro Eduardo Coutinho, faleceu hoje aos 81 anos. Segundo consta a imprensa brasileira, Coutinho foi assassinado à facada este domingo, dentro de casa, no Rio de Janeiro, pelo seu próprio filho, que sofre de esquizofrenia. Este terá também esfaqueado a própria mãe e em seguida terá tentado matar-se. Mãe e filho encontram-se em estado muito grave no hospital.

Nascido em 1933, em São Paulo, o cineasta realizou cerca de quinze longas-metragens, de onde se destacam, “Cabra Marcado Para Morrer” (1985 – filme que lhe valeu o prémio FIPRESCI do Festival de Berlim), “Babilônia 2000” (1999), “Edifício Master” (2002), “Jogo de Cena” (2007). Politicamente, foi sempre um homem de esquerda, que tinha dinheiro, pelo que era conhecido por pagar às pessoas que entrevistava para os seus filmes. Em 2007, o cineasta ganhou um Kikito de Cristal, principal prémio do cinema brasileiro, pelo conjunto da sua obra.