Morreu esta sexta-feira, 31 de julho, o realizador inglês Alan Parker, aos 76 anos, autor de filmes como “O Expresso da Meia-Noite” (1978), “Fama” (1980), “Mississipi em Chamas” (1988) e “Evita” (1996).

Nascido a 14 de fevereiro de 1944, em Londres, Parker foi um dos mais bem sucedidos realizadores britânicos, tendo os seus filmes conquistado 19 Baftas, 10 Globos de Ouro e 10 Óscares.

Parker, que foi também argumentista, produtor, ator, membro fundador do Director’s Guild of Great Britain, presidente fundador do UK Film Council em 2000 (cargo que ocupou durante cinco anos) e presidente da BFI, estreou-se na realização em 1976, com “Bugsy Malone”, uma comédia protagonizada por Jodie Foster.

Parker, que fez grande parte da sua vida nos EUA, foi também responsável por filmes como “Depois do Amor” (1982), “Pink Floyd The Wall” (1982), “Birdy: Asas de Liberdade” (1984), “Angel Heart – Nas Portas do Inferno” (1987), “Os Commitments” (1991), “As Cinzas de Ângela” (1999) e Inocente ou Culpado?” (2003), o seu último filme.

Com “O Expresso da Meia-Noite” (1978), protagonizado por Brad Davis, Irene Miracle e Bo Hopkins, conseguiu a sua primeira nomeação para a categoria de Melhor Realizador e mais tarde, em 1989, consegue a segunda nomeação na mesma categoria por “Mississipi em Chamas”, um drama que retrata a investigalão de dois agentes do FBI sobre o desaparecimento de três ativistas no estado do Mississippi.

É também conhecido pelo musical “Fama” (1980), um dos mais populares musicais da MGM e da história do cinema, e pelo drama “As Cinzas de Ângela” (1999), uma história de luta e sobrevivência de uma família irlandesa que se muda de Nova Iorque para a Irlanda.