Morreu a atriz Setsuko Hara, uma lenda do cinema japonês e a musa do cineasta Yasujiro Ozu. Faleceu a 5 de setembro, vitima de uma pneumonia, mas só esta semana foi comunicado pelos seus familiares. Tinha 95 anos.

Nascida a 17 de junho de 1920, na cidade de Yokohama, Hara estreou-se no cinema aos 15 anos em “Do Not Hesitate Young Folks!”, tendo-se destacado pouco depois numa coprodução germânico-nipônica, “The Daughter of the Samurai”, de Arnold Fanck e Mansaku Itami. Mas foi após a 2ª Guerra Mundial que a sua carreira deu um grande salto, com o primeiro filme pós-guerra do cineasta Akira Kurosawa, “No Regrets for Our Youth” (1946).

Hara colabora pela primeira vez com o cineasta Yasujiro Ozu em 1949, com o filme “Primavera Tardia”. Esta colaboração entre Hara e Ozu iria durar doze anos, tornando-se assim numa das mais consagradas atrizes do Japão. “Viagem a Tóquio” (1953), “O Fim do Outono” (1960) e “The End of Summer” (1961) foram algumas das obras primas do cinema nipónico, geradas por esta colaboração. “Viagem a Tóquio” é ainda hoje considerado um dos melhores filmes de sempre pela crítica, um belíssimo melodrama familiar, em que Setsuko Hara interpreta Noriko, uma viúva que mostra muito afecto pelo seu sogro.

Ao longo da sua carreira participou em mais de 70 filmes, tendo colaborado ainda com realizadores como Toshio Otani, Hiroshi Inagaki, Kimisaburo Yoshimura, Tadashi Imai e Mikio Naruse. Hara, “a eterna virgem”, que nunca se casou, foi a estrela e a alma de muitas obras primas da era dourada do cinema nipónico, dos anos 50.

Setsuko hara (esquerda) e Chishu Ryu (direita), em "Viagem a Tóquio" (1953), de Yasujiro Ozu

Setsuko hara (esquerda) e Chishu Ryu (direita), em “Viagem a Tóquio” (1953), de Yasujiro Ozu