Arranca hoje a 13.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, com a estreia de “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho, e “Ma”, de Tate Taylor. Até 15 de setembro vão ser exibidos cerca de 100 filmes “para celebrar o passado e o presente do cinema de terror português e além-fronteiras, numa edição que acontece sob o signo do número 13.”.

A sessão de abertura decorre hoje com a estreia nacional do thriller “Ma” do americano Tate Taylor, filme que tem sido elogiado pela interpretação ousada e inteira de Octavia Spencer. Antes e depois há sessões do filme que conquistou o Grand Prix do Festival de Cannes: “Bacurau”, alegoria distópica sobre o Brasil em que Kleber Mendonça Filho mistura sem medos géneros como o slasher, o western e a ficção científica. Para as sessões da meia-noite ficam reservados “The Gangster, The Cop, The Devil”, de Lee Won-tae, e “Koko-di Koko-da”, de Johannes Nyholm.

Ari Aster, prodígio do terror americano, é o convidado de honra da 13.ª edição e vem apresentar a antestreia portuguesa de “Midsommar”, um dos filmes mais aguardados do ano (13 setembro, 21h), e o já clássico “Hereditário” (14 setembro, 15h30). Aster dará ainda uma masterclass sobre folk horror com o escritor Howard David Ingham (“We Don’t Go Back: A Watcher’s Guide to Folk Horror”).

À lista de convidados do MOTELX junta-se o veterano Jack Taylor, ator-fetiche do cinema exploitation espanhol dos anos 60 e 70. Taylor participou ainda em filmes de John Milius, Ridley Scott e Milos Forman, e em Portugal contracenou com Johnny Depp em “The Ninth Gate” (Roman Polanski). O MOTELX presta homenagem a esta figura única do cinema de género com uma sessão especial no dia 13 de setembro. Serão exibidos o documentário “Jack Taylor, Testigo del Fantástico” (2018), de Diego López, e “Necronomicon” (1968), de Jesús Franco. Este último, filme de culto também conhecido como “Succubus”, foi rodado em Lisboa e ficou marcado por duas estreias: a de Taylor como protagonista e a de Karl Lagerfeld como figurinista.

Além do Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa/Méliès d’Argent, cujos 10 finalistas foram anunciados em Julho, o MOTELX promove o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia/Méliès d’Argent em conjunto com a Federação Europeia de Festivais de Cinema Fantástico. São oito os filmes em competição: “Faz-me Companhia”, de Gonçalo Almeida (Portugal, estreia mundial); “All the Gods in the Sky”, de Quarxx (França); “Extra Ordinary”, de Mike Ahern e Enda Loughman (Irlanda, Bélgica); “Finale”, de Søren Juul Petersen (Dinamarca); “Get In”, de Olivier Abbou (França); “A Good Woman is Hard to Find”, de Abner Pastoll (UK, Bélgica, Irlanda, estreia internacional); “The Hole in the Ground”, de Lee Cronin (UK); e “Why Don’t You Just Die!”, de Kirill Sokolov (Rússia).

A secção Serviço de Quarto mostra 26 longas internacionais. Entre as novidades está o brasileiro “Bacurau” de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, filme que em Maio venceu o Prémio do Júri em Cannes. Este ano, o cinema asiático volta a destacar-se com filmes como “The Gangster, the Cop, the Devil” (Lee Won-Tae, Coreia do Sul), o japonês “It Comes” (Tetsuya Nakashima) ou o indiano “Tumbbad”(Rahi Anil Barve). Dos EUA chegam, entre outros, o western feminista “The Wind”(Emma Tammi) e “Nightmare Cinema”, antologia realizada por mestres como Mick Garris e Joe Dante com Mickey Rourke no papel de projeccionista diabólico. Da Europa, realce para “Lords of Chaos” (Jonas Åkerlund), baseado na história real dos “Mayhem”, banda de black metal norueguesa com apetite para a destruição.

Fonte: MotelX