Como se tem visto nos últimos tempos, a oferta da Netflix a nível cinematográfico tem aumentado de ano para ano, sendo que o número de produções originais tem sido cada vez maior. Filmes que estrearam recentemente, como Fyre (2019), ou Black Mirror: Bandersnatch (2018), têm algo em comum: custaram muito dinheiro. E é por esta simples premissa que, segundo analistas de Wall Street, a Netflix gastou cerca de 12 mil milhões de dólares no ano de 2018, sendo que este investimento pode chegar aos 15 mil milhões.

Ben Swinburne, diretor da Morgan Stanley, empresa norte-americana de serviços financeiros, afirma que a Netflix poderia, se escolhesse, aumentar as suas margens mais rapidamente, limitando assim o crescimento do seu investimento (substancial) em marketing e produção, mas está (sabiamente) a pensar a longo prazo.”

Segundo Daniel Salmon, da BMO Capital Markets, outra empresa de serviços financeiros norte-americana, a Netflix investiu 8,9 mil milhões de dólares em conteúdo original no ano de 2017. Este estima que em 2020, esse investimento possa chegar aos 17,8 mil milhões de dólares.

Reed Hastings, CEO da Netflix, afirmou durante uma entrevista com os investidores, na quinta-feira passada, que quanto mais investimento houver, mais as pessoas vão encontrar o conteúdo que realmente gostam e procuram, valorizando cada vez mais o serviço da empresa.

Entre as próximas estreias de originais, constam títulos como The Umbrella Academy“, “Velvet Buzzsaw e High Flying Bird“, sendo que o segundo tem data de estreia a 1 de fevereiro em Portugal. Com o Sundance Film Festival a começar na próxima quinta-feira, a Netflix tem como objetivo adicionar mais filmes à sua biblioteca antes do final do festival.