O último grande sucesso da Walt Disney, O Rei Leão (2019), do realizador Jon Favreau (O Livro da Selva”, “O Homem de Ferro), quebrou recordes de bilheteira em Portugal e no estrangeiro, mas nem tudo são boas notícias.

Esta nova versão do clássico de 1994 não agradou grande parte da equipa de animação que esteve por detrás da obra original. O The Huffington Post, uma plataforma de informação online, abordou 13 trabalhadores dessa mesma equipa de forma a obter declarações acerca do novo filme fotorrealista. Contudo, a maioria ignorou o apelo.

Dois desses animadores falaram na condição de anonimato, um para dizer que apenas me vou colocar em problemas se comentar a ‘outra’ versão, enquanto que o colega salienta que existe um grande ressentimento contra estas novas versões 3D por parte das equipas originais dos filmes 2D. Talvez fosse diferente se recebêssemos qualquer tipo de ‘royalties’.

David Stephan, o único membro que ‘deu a cara’, foi responsável pelo design das hienas e pela icónica sequência de abertura Circle of Life” na obra original, abordado pelo The Huffington Post, afirmou que não haveria vontade da equipa original em participar neste último projecto. David admite queé um pouco triste que um acionista esteja agora na sala a decidir quais os filmes que serão feitos”, e que a Disney só pensa em ganhar dinheiro, revelando que é decepcionante como artista, vindo de um estúdio que foi fundado na originalidade e na arte.

Stephan também foi uma voz crítica quanto às interpretações de voz, apelindando-as de terem um tom de madeira”. Para dar vida às personagens de “Rei Leão” fizeram parte do elenco nomes como James Earl Jones (Mufasa), Beyoncé (Nala), Seth Rogen (Pumbaa), John Oliver (Zazu) e Alfre Woodard  (Sarabi), entre outros.

O filme está em exibição nas salas de cinema por todo o país desde o dia 18 de julho.