Depois de uma mão cheia de celebridades se pronunciarem sobre a polémica da diversidade nos Óscares, chegou a vez de Joel e Ethan Coen se pronunciarem sobre o assunto.

Quando questionados pelo Daily Beast sobre a falta de diversidade na escolha do elenco do seu novo filme “Salvé, César”, Joel Coen respondeu:

“É um mal-entendido absoluto e absurdo para simplificar qualquer história e dizerem, ‘ porque é que não há isto, aquilo ou aquela outra coisa? É um equívoco fundamental em relação a como as histórias são escritas. Portanto, temos que começar por aí e dizer, vocês não sabem do que estão a falar.’”

“Não se senta e se escreve uma história e diz-se, ‘Eu vou escrever uma história que envolva quatro pessoas negras, três Judeus e um cão’ – certo? Diz Joel. “Se não conseguem perceber isso, não percebem nada de como as histórias são construídas e também não entendem como essas perguntas são parvas. Não é ilegítimo dizer-se que deveria existir mais diversidade na indústria. Mas não é disso que essa pergunta se trata. Essa pergunta é sobre algo totalmente diferente.

Ethan juntpu-se ao irmão acrescentando que “é importante contar-se a história que se quer contar da forma correta, e isso pode involver – ou não – pessoas de outras étnias.

“Salvé, César” conta a história de Eddie Manix (Josh Brolin), cuja função é resolver os problemas das estrelas das produções da Capital Pictures, durante a Hollywood da década de 50. Mas quando a principal estrela do estúdio, Baird Whitlock (George Clooney), desaparece, Mannix tem que resolver mais do que um problema.