Os estúdios americanos Laika Entertainment já provaram há muito que dominam a técnica do stop motion na perfeição. Vejam-se os exemplos dos seus anteriores filmes, como “A Noiva Cadáver” (2005), “Carolina e a Porta Secreta” (2009) e “ParaNorman” (2012). Em “Os Monstros das Caixas”, o novo filme do estúdio, realizado por Graham Annable e Anthony Stacchi, a técnica desta animação é digna de nota máxima, quer pelos magníficos cenários, quer pelas elaboradas cenas de ação. No entanto, a narrativa deixa muito a desejar, com recurso a uma história de clichés e um “happy ending” previsível logo do inicio. É a velha história da guerra entre dois mundos que se desconhecem e se temem, mas que no final, alguém, o herói, vai unir esses dois mundos. Este é muito provavelmente o filme mais infantil, no pior sentido, dos estúdios Laika. Faltaram-lhes ideias e criatividade. Longe de ser tão envolvente e emotivo como algum dos filmes em cima referidos.

Tenta passar algumas mensagens que são importantes, como a desigualdade na sociedade, a descriminação, a diferença entre ricos e pobres e a lealdade. A descriminação, o medo do que é diferente ou desconhecido, são questões que foram bem desenvolvidas neste filme, apesar de em “ParaNorman”, a meu ver, terem sido melhor resolvidas. Não deixa de ser positivo, ainda assim, a tentativa de este filme passar estas mensagens, de que continua a ser importante mudarmos algumas mentalidades na sociedade.

Pelo visual e pelos pontuais gags, quer das personagens principais, quer das personagens secundárias, é um filme agradável de se ver, mas não passa disso. Certamente que este é um conto que irá agradar os mais pequenos, mas podia ser mais do que entreter.

Realização: Anthony Stacchi, Graham Annable

Argumento: Irena Brignull

Elenco: Ben Kingsley, Jared Harris, Nick Frost

EUA/2014 – Animação

Sinopse: Os Monstros das Caixas é uma cómica fábula que se desenrola em Ponte de Queijais, uma elegante cidade da era vitoriana obcecada com a saúde, classe e com o fedor dos queijos de excelência. Sob as suas encantadoras ruas habitam os Monstros das Caixas, abomináveis seres que rastejam de noite para fora das sarjetas e roubam o que os habitantes da cidade mais amam: as crianças e os queijos. Pelo menos é esta a lenda em que os cidadãos sempre acreditaram. Na verdade, os Monstros das Caixas são uma comunidade peculiar, adorável e excêntrica, que habita em cavernas subterrâneas, e que vestem caixas de cartão recicladas, da mesma forma que as tartarugas usam carapaças. Os Monstros das Caixas criaram um menino humano órfão desde a sua infância e sempre o trataram como um dos seus mergulhadores e colecionadores de lixo mecânico. Quando os Monstros das Caixas se tornam alvo de um perverso exterminador de pestes, determinado em erradicá-los como forma de entrar na sociedade de Ponte de Queijais, este grupo de amistosos desajeitados terá de recorrer ao menino adotado e a uma rica e aventureira menina para construir uma ponte entre os dois mundos, para criar ventos de mudança… e de queijo.

«Os Monstros das Caixas» - Boa técnica, fraca história.
2.5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos