Óscares 2020: As nossas previsões

A menos de uma semana da grande noite de Hollywood, a cerimónia de entrega dos prémios da Academia norte-americana de Artes e Ciências Cinematográficas, o Cinema Sétima Arte faz as suas previsões dos possíveis vencedores da 92.ª edição dos Óscares que se realiza a 9 de fevereiro.

Segundo as nossas previsões, “1917” irá vencer cinco estatuetas douradas (Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Fotografia, Melhor Mistura de Som e Melhor Edição de Som).

O segundo filme mais premiado será “Parasitas” com três prémios (Melhor Filmes Estrangeiro, Melhor Argumento Original e Melhor Montagem). Seguem-se “Era Uma Vez em…Hollywood” com dois prémios (Melhor Ator Secundário e Melhor Design de Produção), “Jojo Rabbit” também com dois (Melhor Guarda-Roupa e Melhor Argumento Adaptado) e “Joker”, que liderava com onze nomeações, a vencer apenas dois prémios (Melhor Ator e Melhor Banda Sonora). Segundo as nossas previsões, a obra de Martin Scorsese, “O Irlandês”, não vencerá nenhuma categoria.

A categoria de Melhor Filme é, por norma, a mais difícil de prever o vencedor e este ano não é excepção. Para nós há três grandes candidatos a esta categoria: “1917”, “Parasitas” e “O Irlandês”. O primeiro venceu o Sindicato dos Produtores (Producers Guild Awards – PGA), o Globo de Ouro de Melhor Filme Drama, o BAFTA de Melhor Filme, entre outros prémios. Por norma quem vence os PGA vence o Óscar de Melhor Filme, sendo que nos últimos dez anos apenas não aconteceu duas vezes (em 2017 e 2016). “1917”, pela sua mestria técnica, é a nossa aposta e o grande favorito ao Óscar. Já “Parasitas”, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, é um dos filmes mais badalados da década, pela crítica e público, e tem surpreendido bastante nesta temporada de prémios. Será difícil um filme estrangeiro vencer nesta categoria, mas pode acontecer. Por fim, “O Irlandês” marca o regresso, em grande, de Martin Scorsese aos Óscares e é um filme Netflix, o que, ao vencer, poderá fazer história.

Na categoria de Melhor Realizador, a nossa aposta recai sobre Sam Mendes, por “1917”. Venceu, entre muitos, no Sindicato dos Realizadores (Directors Guild of America – DGA), o Globo de Ouro de Melhor Realizador e o BAFTA de Melhor Realizador. Nos últimos dez anos, quem venceu os DGA venceu também o Óscar de Melhor Realizador, sendo que apenas em 2013 isso não aconteceu. Esta é a segunda nomeação para esta categoria, vinte anos depois de ter vencido o Óscar de Melhor Realizador por “Beleza Americana”. A Academia pode por isso mesmo decidir atribuir o Óscar a outro realizador, mas tudo indica que Mendes vai levar outro Óscar para casa. O segundo favorito será o sul coreano Bong Joon Ho, uma estreia nos Óscares. Restam dois veteranos: Quentin Tarantino, por “Era Uma Vez em… Hollywood”, que consegue a sua terceira nomeação para esta categoria, sem nunca ter vencido; e Martin Scorsese, por “O Irlandês”, a sua nona nomeação para esta categoria, tendo vencido apenas uma vez com “The Departed”, em 2006.

As categorias de interpretação são aparentemente as mais fáceis de prever este ano, com Joaquin Phoenix a vencer o Óscar de Melhor Ator em “Joker”, conquistando assim o seu primeiro Óscar. Renée Zellweger pode vir a receber o seu segundo Óscar, depois de ter conquistado o de Melhor Atriz Secundária por “Cold Mountain” (2003). Pode agora arrecadar o seu primeiro de Melhor Atriz por “Judy”. Brad Pitt, com sete nomeações e um Óscar de Melhor Produtor, pode finalmente receber um enquanto ator, neste caso o de Melhor Ator Secundário. Por fim, Laura Dern conquista com “Marriage Story” a sua terceira nomeação e provavelmente o seu primeiro Óscar de Melhor Atriz Secundária.

Na categoria de Melhor Filme de Animação há três favoritos: “Klaus”, “Missing Link” e “Toy Story 4”. O primeiro é da Netflix e foi o grande vencedor dos Annie Awards; o segundo é dos estúdios Laika e nunca a Academia premiou este estúdio, pelo que o pode fazer agora; o terceiro é da Pixar e venceu os Producers Guild Awards. A nossa aposta vai para “Klaus”, de Sergio Pablos, produzido pela Netflix, que contou com a participação do português Sérgio Martins, responsável pela direcção da animação do filme.

Estas são as nossas apostas para 21 das 24 categorias. A cerimónia da 92.ª edição dos Óscares realiza-se a 9 de fevereiro de 2020, no Dolby Theatre, com transmissão em direto para mais de 225 países, sem apresentador, tal como aconteceu no ano passado. Em Portugal, a 92.ª edição vai ser transmitida nos canais FOX e FOX Movies.

DEPOIS DOS ÓSCARES

Laranja – Previsão
Verde – Previsão Correcta
Vermelho – Previsão Errada

Em 21 categorias erramos em 7: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Filme de Animação, Melhor Guarda-Roupa, Melhor Montagem, Melhor Edição de Som e Melhores Efeitos Especiais.

Melhor Filme
Ford V Ferrari
The Irishman
JoJo Rabbit
Joker
Little Women
Marriage Story
1917
Once Upon a Time… in Hollywood
Parasite

Melhor Realizador
The Irishman, de Martin Scorsese
Joker, de Todd Phillips
1917, de Sam Mendes
Once Upon a Time… in Hollywood, de Quentin Tarantino
Parasite, de Bong Joon Ho

Melhor Ator
Antonio Banderas, em Pain and Glory
Leonardo DiCaprio, em Once Upon a Time… in Hollywood
Adam Driver, em Marriage Story
Joaquin Phoenix, em Joker
Jonathan Pryce, em The Two Popes

Melhor Atriz
Cynthia Erivo, em Harriet
Scarlett Johansson, em Marriage Story
Saoirse Ronan, em Little Women
Charlize Theron, em Bombshell
Renée Zellweger, em Judy

Melhor Ator Secundário
Tom Hanks, em A Beautiful Day in the Neighborhood
Anthony Hopkins, em The Two Popes
Al Pacino, em The Irishman
Joe Pesci, em The Irishman
Brad Pitt, em Once Upon a Time… in Hollywood

Melhor Atriz Secundária
Kathy Bates, em Richard Jewell
Laura Dern, em Marriage Story
Scarlett Johansson, em Jojo Rabbit
Florence Pugh, em Little Women
Margot Robbie, em Bombshell

Melhor Argumento Original
Knives Out, por Rian Johnson
Marriage Story, por Noah Baumbach
1917, por Sam Mendes, Krysty Wilson-Cairns
Once Upon a Time… in Hollywood, por Quentin Tarantino
Parasite, por Bong Joon Ho, Han Jin Won

Melhor Argumento Adaptado
The Irishman, por Steven Zaillian
Jojo Rabbit, por Taika Waititi
Joker, por Todd Phillips, Scot Silver
Little Women, por Greta Gerwig
The Two Popes, por Anthony McCarten

Melhor Filme de Animação
How to train your dragon: The hidden world
I Lost My Body
Klaus
Missing Link
Toy Story 4

Melhor Filme Estrangeiro
Les Misérables – França
Honeyland – Macedónia do Norte
Corpus Christi – Polónia
Parasite – Coreia do Sul
Pain and Glory – Espanha

Melhor Documentário
American Factory
The Cave
The Edge of Democracy
For Sama
Honeyland

Melhor Design de Produção
The Irishman
Jojo Rabbit
1917
Once Upon a Time… in Hollywood
Parasite

Melhor Fotografia
The Irishman, por Rodrigo Prieto
Joker, por Lawrence Sher
The Lighthouse, por Jarin Blaschke
1917, por Roger Deakins
Once Upon a Time… in Hollywood, por Robert Richardson

Melhor Guarda-Roupa
The Irishman
Jojo Rabbit
Joker
Little Women
Once Upon a Time… in Hollywood

Melhor Montagem
Ford V Ferrari
The Irishman
Jojo Rabbit
Joker
Parasite

Melhor Maquilhagem e Cabelo
Bombshell
Joker
Judy
Maleficent: Mistress of Evil
1917

Melhor Banda Sonora Original
Joker, por Hildur Gudnadottir
Little Women, por Alexandre Desplat
Marriage Story, por Randy Newman
1917, por Thomas Newman
Star Wars: The Rise of Skywalker, por John Williams

Melhor Canção Original
“Into The Unknown”, de Frozen II
“Stand Up”, de Harriet
“I’m Standing With You”, de Breakthrough
“(I’m Gonna) Love Me Again”, de Rocketman
“I Can’t Let You Throw Yourself Away”, de Toy Story 4

Melhor Edição de Som
Ford V Ferrari
Joker
1917
Once Upon a Time… in Hollywood
Star Wars: The Rise of Skywalker

Melhor Mistura de Som
Ad Astra
Ford V Ferrari
Joker
1917
Once Upon a Time… in Hollywood

Melhores Efeitos Visuais
Avengers: Endgame
The Irishman
The Lion King
1917
Star Wars: The Rise of Skywalker