Óscares 2024: Audiências da cerimónia são as mais altas dos últimos quatro anos

Ryan Gosling a interpretar a canção "I'm Just Ken", do filme "Barbie" Ryan Gosling a interpretar a canção "I'm Just Ken", do filme "Barbie"
Ryan Gosling a interpretar a canção "I'm Just Ken", do filme "Barbie"

A 96.ª cerimónia anual dos Óscares, transmitida no passado domingo (10 de março), teve 19,5 milhões de espectadores, o número mais alto em quatro ano, apesar de só ter aumentado 4% em relação ao ano anterior, que teve 18,7 milhões de espectadores.

Pelo terceiro ano consecutivo as audiências dos Óscares voltam a subir no canal ABC, que este ano começou começou a transmissão uma hora mais cedo do que é habitual. No entanto, a transmissão dos Óscares 2024 é a quarta pior da história dos prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (AMPAS).

A transmissão atingiu o pico de espectadores na meia hora final, com Ryan Gosling a interpretar a canção “I’m Just Ken”, do filme “Barbie”, e Cillian Murphy a receber o Óscar de Melhor Ator por “Oppenheimer”.

Os Óscares 96 premiaram “Oppenheimer” com sete estatuetas douradas, incluindo a de Melhor Filme, seguindo-se “Pobres Criaturas”, de Yorgos Lanthimos, ao receber quatro prémios, que inclui o de Melhor Atriz, entregue a Emma Stone.  “A Zona de Interesse”, do britânico Jonathan Glazer, surpreendeu ao conquistar duas estatuetas douradas: Melhor Filme Internacional e Melhor Som.

A transmissão da cerimónia de 2021 continua a ser a menos vista na história dos Óscares, com apenas 10,4 milhões espectadores, afetada pela pandemia da COVID-19. As cerimónias dos Óscares tinham em média cerca de 40 a 50 milhões de espectadores nos EUA. A cerimónia mais vista de sempre foi a de 1998, com cerca de 57 milhões, edição que premiou “Titanic” com 11 Óscares. Ainda assim, a cerimónia com maior assistência televisiva no século XXI continua a ser a de 2000, com 46,33 milhões, que premiou “Beleza Americana” com 5 Óscares. Em 2014, a cerimónia ainda conseguiu atrair 43,6 milhões de espectadores, a segunda mais alta deste século, quando “12 Anos Escravo” venceu o Óscar de Melhor Filme. A última vez que a cerimónia ultrapassou o limite de 20 milhões foi a edição de 2020, pré-pandemia, com cerca de 23,6 milhões, ano em que “Parasitas” foi o vencedor.

Esta foi a quarta vez que o comediante Jimmy Kimmel apresentou a cerimónia dos Óscares, tendo em 2017 alcançado os cerca de 33 milhões de espectadores (no ano em que os envelopes se trocaram entre “La La Land” e “Moonlight”), a última vez que os Óscares tiveram mais de 30 milhões de espectadores. No ano seguinte, em 2018, baixou para os 26,5 milhões. Em 2023, a transmissão foi vista por 18,7 milhões e este ano 19,5 milhões.

Audiências das cerimónias dos Óscares (2000 – 2023):
2024 – 19,5 milhões
2023 – 18,7 milhões
2022 – 16,62 milhões
2021 – 10,4 milhões
2020 – 23,6 milhões
2019 – 29,6 milhões
2018 – 26,5 milhões
2017 – 32,9 milhões
2016 – 34,3 milhões
2015 – 36,6 milhões
2014 – 43,7 milhões
2013 – 40,3 milhões
2012 – 39,3 milhões
2011 – 37,6 milhões
2010 – 41,7 milhões
2009 – 36,1 milhões
2008 – 31,76 milhões
2007 – 40,17 milhões
2006 – 38,94 milhões
2005 – 42,14 milhões
2004 – 43,53 milhões
2003 – 33,04 milhões
2002 – 41,78 milhões
2001 – 42,94 milhões
2000 – 46,33 milhões

Skip to content