Com “ParaNorman” assistimos à segunda estreia em cinemas nacionais de um filme de animação em stop-motion, sendo que a terceira será “Frankenweenie”, de Tim Burton. Este último será também um filme de terror infantil. Mas enquanto um é da Disney, “ParaNorman” é dos estúdios Laika, que se estrearam com a produção de “A Noiva Cadáver” (2005) e em 2009 criaram “Caroline e a Porta Secreta”. Nos seus poucos anos de vida a Laika tem tentado entrar para a história do cinema de animação, neste caso, do stop-mortion, que é a sua especialização, como no caso da Aardman (estúdio inglês que criou “Wallace & Gromit”).

Norman é um rapaz que consegue ver e falar com mortos-vivos. Mas esta sua característica não o ajuda em nada na sua vida social e familiar. Na escola é vítima de bullying e a sua família tem vergonha do seu filho, que é considerado o “anormal” da cidade. No entanto, os habitantes da cidade vem-se obrigados a entregar o futuro desta a Norman, que terá de a defender de uma terrível maldição lançada no século XVIII, por uma bruxa. Os mortos regressam à cidade.

Esta é uma história de zombies para miúdos. Mas chega a ser muito mais do que isso. De forma surpreendente e inesperada o filme foca-se em temas tão importantes numa sociedade, como o bullying e a individualidade. O primeiro é hoje um dos maiores crimes e medos dos EUA, nas escolas. Mas não é só na América que se vive o bullying, em todo o mundo este crime é cometido todos os dias. Talvez por isso, o filme tenta passar em forma de metáfora o bullying de que Norman é vítima. Ora, os jovens são muitas vezes vítimas de bullying, precisamente pelo segundo tema – a individualidade. A diferença, ou ser-se diferente é caso para se ser atacado pela sociedade, que rapidamente julga o indivíduo, inconscientemente e de forma estúpida, cometendo erros terríveis. É principalmente este ponto onde o filme se centra, usando a história da maldição, onde sete pessoas condenam uma jovem rapariga, que via fantasmas, a ser queimada viva. Não há duvida que muita gente inocente ao longo da história da humanidade tenha morrido desta forma, porque não foi compreendida e ouvida pela sociedade. Agora, no século XXI, continuamos a vivenciar exactamente o mesmo, tal como Norman, que é visto como um maluco e o causador de todo aquele caos na cidade. Norman comunica com os mortos-vivos, assim como a rapariga Aggie (a bruxa), pelo que ambos sofreram o mesmo, ambos se compreendem, ambos se conhecem. A cena final é onde os dois se encontram e é a mais comovente do filme, onde Norman tenta explicar a Aggie que tal como há pessoas más, também existem pessoas boas e que gostam de nós. Todas estas mensagens e sinais são evidentes e perceptíveis para os mais novos.

Eu confesso não ser grande apreciador de filmes de Terror, apesar de gostar bastante de alguns filmes. “ParaNorman” surpreendeu-me muito pela positiva, pois presta de forma simples, eficaz e comovente uma homenagem ao género de Terror. Ao longo do filme reparamos em várias referências a filmes como “O Despertar dos Mortos Vivos” (1968), de George Romero e a filmes de série B. Aliás o filme começa por mostrar um filme que homenageia o género de terror dos anos 80. Podemos ainda lembrar-nos de filmes como: “Os Goonies” (1985), por ser uma aventura de um grupo de miúdos que marcou gerações; e sem dúvida as influências do estilo gótico de Tim Burton estão presentes, de filmes como “O Estranho Mundo de Jack” (1993) e “A Noiva Cadáver” (2005). O filme executa tudo isto com um humor eficaz, personagens fortes, uns bons sustos aqui e ali,  um stop motion tecnicamente deslumbrante, assim como a sua agradável banda sonora, composta por Jon Brion.

“ParaNorman” é tão atual hoje como daqui a cem anos. Um filme que consegue comover, divertir e apelar aos mais novos o gosto por este género cinematográfico. Até ao momento é o melhor filme de animação do ano que vi, restando apenas esperar por “Frankenweenie” (estreia a 18 de outubro).

Realização: Chris Butler, Sam Fell

Argumento: Chris Butler

Elenco: Anna Kendrick, John Goodman, Leslie Mann, Casey Affleck, Jodelle Ferland, Christopher Mintz-Plasse, Kodi Smit-McPhee, Bernard Hill, Tucker Albrizzi

EUA/2012 – Animação

Sinopse: Uma pequena cidade vê-se cercada de zombies. Quem poderá ajudar? Apenas o incompreendido Norman (Kodi Smit-McPhee), que é capaz de falar com os mortos. Além de zombies, ele terá de lidar com fantasmas, bruxas e, pior que tudo, adultos idiotas, para salvar a sua cidade de uma maldição secular. Mas este jovem que fala com espíritos pode ver as suas atividades paranormais levadas ao limite.

«ParaNorman» - Uma comovente aventura de miúdos com zombies
4.0Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos